Economia

'É no fim do ano que sempre aparecem os jabutis nos projetos'

Da Redação ·

Economista-chefe da XP Investimentos, Caio Megale alerta para o risco de uma "derrapada fiscal" neste momento de votações de fim de ano no Congresso. Em entrevista ao Estadão, ele diz que o governo precisa ficar de olho para evitar os "jabutis", inclusão de medidas estranhas à proposta original, que podem prejudicar ainda mais as contas públicas.

continua após publicidade

Qual a avaliação do sr. sobre o relatório da PEC emergencial?

Se por um lado, não traz economia de curto prazo e é um texto pouco denso em termos dos gatilhos (medidas de corte de gastos), por outro lado, não traz riscos que tinha há alguns meses de novos programas fora do teto. É um início de conversa. Ele resolve os nossos problemas? O problema são as pressões que o teto deve sofrer, principalmente, em 2021. O texto traz gatilhos além do que está na lei complementar 173 (lei de socorro a Estados e municípios, que já previa congelamento dos salários de servidores)? Não me parece. Para que a PEC reduza o risco em 2021, ela precisa ganhar força.

continua após publicidade

O 'Estadão' revelou que o relatório da PEC chegou a ter uma brecha para aumentar gastos fora do teto. Há risco de na votação ter nova tentativa desse tipo?

O risco vai ser sempre grande, e o governo terá de ter uma atenção no detalhe e muita agilidade de resposta. Risco de mais gasto, de desorganização fiscal, é uma constante. Nesse momento mais ainda. É importante que o governo fique atento. A minha visão é que esse texto deveria ficar todo para 2021. Devemos virar o ano e entender como vai ser o efeito da pandemia, se vai avançar ou não, qual o impacto na economia da retirada do auxílio e como vai reagir aos juros baixos.

O desemprego preocupa em 2021. Essa questão está bem endereçada pelo governo?

continua após publicidade

Os números do mercado de trabalho já têm mostrado uma reação. Não só no Caged (contratações e demissões com carteira assinada) como também na Pnad do IBGE (incluí também dados do mercado informal). É verdade que, por um lado, devemos ter a saída dos estímulos, que devem sair de cena e as incertezas da pandemia. Mas por outro lado, existem motores que sustentam o crescimento. Estamos com o juro real negativo e esse efeito está começando a parecer agora na economia. O crédito melhorando bem, vendas no varejo.

A retirada do auxílio coloca muita pressão para a sua prorrogação da calamidade.

A prorrogação seria precipitada. Se é verdade que a retirada do auxílio afeta a economia, tem outros instrumentos que a impulsionam. Dado que o País não tem espaço fiscal, é precipitado renovar o auxílio.

continua após publicidade

Não há um excesso de otimismo dos investidores?

Do ponto de vista econômico, a maioria dos cenários aponta que o ano que vem vai ter uma boa desaceleração no crescimento, frente ao que a gente está vendo hoje. Não é uma situação em que está tudo tranquilo e a gente consegue tirar os estímulos sem problema. A preocupação maior é a fiscal. Estamos com uma decisão dificílima de ser tomada, por causa do nosso histórico ruim.

continua após publicidade

De que forma uma aceleração ainda maior da inflação pode comprometer um cenário difícil?

A inflação já provocou um estrago no lado fiscal que não tem como reverter, a grande questão vai ser como ela vai se comportar no ano que vem. É provável que vá se acomodar.

Como equacionar o equilíbrio fiscal com o novo comando da Câmara e do Senado em 2021?

continua após publicidade

A definição no Congresso é muito relevante, independentemente de como evoluir, é preciso pensar em criar maiorias para aprovar essas reformas tão importantes e ter atenção com os gastos públicos, não temos espaço para gastos populistas. As emendas (parcela dos recursos do Orçamento que deputados e senadores direcionam) são importantes para movimentar as bases eleitorais, mas estamos em uma situação fiscal bastante delicada. O equilíbrio tem de ser costurado com a área política.

Como o sr. avalia a atuação do ministro Paulo Guedes?

Eu vejo o ministro e a equipe com os temas colocados. É pouco provável que a reforma tributária seja votada no ano que vem, mas o governo tem de afunilar as propostas. A Eletrobrás é factível de ser privatizada ainda neste mandato, mas é preciso muito esforço.

Os riscos para a economia no primeiro semestre são grandes?

O País está pressionado e com muitas incertezas, então, a chance de derrapada é grande. O risco fiscal cai no primeiro semestre e sobe no segundo. A primeira metade do ano tende a ser menos arriscada do ponto de vista fiscal e boa do ponto de vista global, com juros ainda muito baixos. É o momento (para avançar), mas o fim de ano é sempre quando aparecem os 'jabutis'. E neste, em particular, com a pandemia, a pressão é particularmente elevada. É preciso ter olho vivo e conservadorismo na virada de ano. E, em 2021, acelerar aproveitando a janela.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.