Economia

Dólar recua com IGP-10 acima do esperado, após subir puxado por cautela lá fora

Da Redação ·

O dólar está oscilando entre margens estreitas frente o real. Há pouco, retomou queda moderada, após subir de forma pontual nos primeiros negócios, puxado pela valorização da moeda americana e dos juros dos Treasuries no exterior, enquanto os futuros de Nova York recuam e petróleo exibia alta leve, em manhã de volatilidade.

continua após publicidade

A moeda norte-americana opera fraca ante o real sob impacto do Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) acima das previsões do mercado. Mas há pano de fundo de cautela fiscal também diante do risco de que o governo tenha que arcar com uma despesa de cerca de R$ 25,5 bilhões neste ano por conta de medidas aprovadas no Congresso Nacional.

O indicador de preços local reforça a possibilidade de o BC vir a ter de esticar o ciclo de aperto da Selic, após a alta já contratada de 1,00 ponto, a 12,75% esperada para maio. Também apoia as expectativas pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em evento virtual do FMI à tarde (15h30), após falar na semana passada da surpresa com o IPCA de março - maior também do que as previsões dos economistas do mercado financeiro.

continua após publicidade

O megarreajuste de combustíveis nas refinarias anunciado pela Petrobras no dia 10 de março, com efeito a partir do dia 11, acelerou a inflação no atacado medida pelo IGP-10 de abril, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Houve ainda disseminação de aumentos de preços nos demais itens investigados. O IGP-10 passou de uma elevação de 1,18% em março para uma alta de 2,48% em abril. O índice acumula aumento de 7,63% no ano e avanço de 15,65% em 12 meses.

Mesmo diante das apostas de que o aperto monetário do Federal Reserve (Fed) seguirá com uma alta de 0,50 ponto porcentual no juro em maio, a perspectiva de um diferencial de juros interno e externo ainda favorável ao Brasil pode continuar limitando um correção do dólar ante o real, segundo operadores de câmbio.

Citado por Campos Neto, como um potencial atenuante no complicado cenário de inflação, o fortalecimento do real não é visto como bala de prata pelos economistas do mercado financeiro. As projeções para o dólar têm até caído, mas as estimativas para o IPCA - índice oficial de inflação - continuam na direção oposta.

continua após publicidade

Contas realizadas por algumas instituições mostram que nem mesmo replicar o patamar atual de R$ 4,70 colocaria a inflação próxima da meta, inclusive em 2023, que é o foco principal da política monetária. Outros explicam que ainda é cedo para confiar que o dólar irá continuar nesse nível, sobretudo diante das incertezas eleitorais e da alta de juros nos Estados Unidos.

No exterior, o Kremlin acusou nesta segunda-feira a Ucrânia de mudar constantemente a sua postura quando se trata de questões que já foram acordadas nas negociações de paz. "Muitas vezes está mudando de posição e a tendência do processo de negociação deixa muito a desejar", afirmou.

Às 9h25, o dólar à vista tinha viés de baixa de 0,09%, a R$ 4,6923. O dólar futuro para maio caía 0,20%, a R$ 4,7080.