Economia

Dólar recua com exterior positivo, S&P e commodities no foco antes de precatórios

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

O dólar opera em baixa alinhada à tendência no exterior em meio a apetite por ativos de risco. Os investidores precificam ainda a manutenção da nota de crédito do País em moeda estrangeira pela agência S&P, em BB- com perspectiva estável, a forte alta de commodities e expectativas de leilão de linha de até US$ 1 bilhão no mercado cambial no fim da manhã.

continua após publicidade

Há expectativas ainda pela votação da PEC dos Precatórios no Plenário do Senado, que pode acontecer na tarde desta quarta-feira, após a sabatina de indicado do presidente para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal (STF), André Mendonça. Para conseguir mais apoio à PEC, o governo abriu negociação para limitar o pagamento das despesas com sentenças judiciais até 2026. O texto que foi aprovado na Câmara e que agora será votado pelos senadores determina uma trava até 2036. Parlamentares críticos à PEC admitem votar favoravelmente se essa mudança ocorrer, com a avaliação de redução dos riscos fiscais.

Os investidores globais aguardam ainda o depoimento do presidente do Fed, Jerome Powell, no Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes (11h), assim como o Livro Bege (16h). Ontem, Powell afirmou que a inflação persistentemente alta nos EUA é compatível com o fim antecipado do tapering em 2022, o que indica menor liquidez nos mercados.

continua após publicidade

Mais cedo, o IBGE informou que o Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, registrou alta de 2,16% em outubro, ante alta de 0,25% em setembro. Também pela manhã, o IPC-S acelerou a 1,08% no fechamento de novembro, após variação de 0,77% em outubro, acima do teto da pesquisa Projeções Broadcast, de 1,04%, com mediana de 0,98% e piso de 0,91%. O indicador acumulou inflação de 9,89% nos 12 meses, também acima da expectativa mais alta do levantamento, que tinha estimativas de 9,70% a 9,84% e mediana de 9,80%.

No mercado de divisas emergentes, o destaque é a queda de 1,21% do dólar ante a lira turca por volta das 9h30, que se fortalece após o banco central da Turquia anunciar que fará intervenção no mercado de câmbio, devido à "formação de preços prejudiciais". A autoridade monetária não forneceu maiores detalhes sobre as medidas. A divisa local tem sido penalizada por conta da ingerência do presidente do país, Recep Tayyip Erdogan, no BC, que cortou juros mesmo com a escalada da inflação.

Às 9h32, o dólar à vista caía 0,56%, a R$ 5,6038. O dólar futuro de janeiro de 2022 recuava 0,33%, a R$ 5,6390.