Economia

Dólar amplia alta com exterior, fiscal e varejo fraco no Brasil

Da Redação ·

O dólar sobe na manhã desta quarta-feira, 6, puxado pelo avanço dos juros dos Treasuries e do dólar no exterior, em meio à crise energética na China e Europa que pressiona a inflação global, ajudando a sustentar a aversão a risco nos mercados. Os investidores olham ainda as vendas fracas no varejo no Brasil em agosto na margem e na comparação interanual, que reforçam a percepção de desaceleração da atividade econômica. Os problemas fiscais persistentes no País seguem ainda no radar dos investidores.

continua após publicidade

As bolsas internacionais têm perdas fortes também diante do impasse sobre o teto da dívida nos EUA e perspectivas de início da retirada de estímulos pelo Federal Reserve programada para novembro, mas que depende ainda dos resultados do mercado de trabalho do País.

O relatório ADP de empregos no setor privado americano mostrou, mais cedo, a criação de 568 mil vagas em setembro, com ajustes sazonais. O número veio bem acima da expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam criação de 425 mil postos de trabalho no último mês. Por outro lado, a ADP revisou ligeiramente para baixo sua estimativa de geração de empregos em agosto, de 374 mil para 340 mil. A pesquisa da ADP é considerada uma prévia do relatório de emprego (payroll) dos EUA, que inclui dados do setor público e será divulgado na sexta-feira (8).

continua após publicidade

Em reação a esses dados, os índices futuros das bolsas de Nova York aceleraram levemente a queda, pois, apesar do bom resultado de setembro, a geração de vagas em agosto foi revisada para baixo pela ADP.

Por aqui, as vendas do comércio varejista recuaram 3,1% em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio abaixo do piso das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast que tinha intervalo de queda de 1,4% a alta de 2,4% com mediana de 0,6%.

Na comparação a agosto de 2020, as vendas do varejo recuaram 4,1%. Por essa base de comparação, o resultado também foi pior do que o piso das projeções, que iam de queda de 0,3% a avanço de 5,2% com alta de 2,0% na mediana. As vendas do varejo restrito, que incluem oito ramos acompanhados pelo IBGE, acumularam crescimento de 5,1% no ano e alta de 5,0% em 12 meses.

continua após publicidade

Quanto ao varejo ampliado, que inclui o comércio de material de construção e de veículos, as vendas caíram 2,5% em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal, vindo novamente pior do que as expectativas. A mediana das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast era de queda de 0,5%, com intervalo de recuo de 1,80% a avanço de 1,90%.

Mais cedo, fora dos compromissos agendados para esta quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro se reuniu, pela manhã, com a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). O encontro teve registro divulgado pelo líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). Bolsonaro também toma café da manhã com representantes da bancada ruralista.

Essas reuniões ocorrem em meio a pressões por investigações sobre o "orçamento secreto". O Palácio do Planalto tem segurado a liberação de recursos de emendas de relator indicadas por senadores, apurou o Broadcast/Estadão. Senadores cobram a abertura do cofre e reagem trancando a pauta do governo na Casa.

Às 9h27 desta quarta, o dólar à vista subia 0,46%, a R$ 5,5102. O dólar futuro para novembro ganhava 0,54% no mesmo horário, a R$ 5,5305.