Economia

Dívida global aumenta no 1º trimestre e atinge recorde de US$ 305 tri, diz IIF

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

A dívida global aumentou US$ 3,3 trilhões para um novo recorde de mais de US$ 305 trilhões no primeiro trimestre de 2022, segundo o Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês). De acordo com relatório da instituição, o aumento foi impulsionado em grande parte pela China (US$ 2,5 trilhões) e pelos EUA (US$ 1,8 trilhões). Em contraste, a dívida total na zona do euro caiu pelo terceiro trimestre consecutivo, aponta o IIF.

continua após publicidade

Em 348% do PIB global, a dívida está 15 pontos porcentuais abaixo de seu pico, no primeiro trimestre de 2021, com "o crescimento mais forte do PIB nominal ajudando a reduzir os índices", aponta o IIF.

O movimento reflete o aumento da inflação, e o índice dívida global em relação ao PIB caiu pelo quarto trimestre consecutivo no primeiro trimestre de 2022, destaca o levantamento.

continua após publicidade

O aumento foi impulsionado principalmente por empréstimos corporativos, excluindo financeiros, e dos governos no geral, com dívidas fora do setor financeiro agora chegando a US$ 236 trilhões - quase US$ 40 trilhões desde o início da pandemia, destaca.

Já a dívida dos mercados emergentes está agora aproximando-se de um recorde de US$ 100 trilhões, indica o estudo.

Enquanto os níveis de dívida e tolerância diferem significativamente entre os países emergentes e setores, o aumento acentuado nos níveis de dívida de tais governos colocou transparência no centro das atenções, aponta o IIF.

A falta de transparência muitas vezes significa custos de empréstimos mais altos e acesso limitado a mercados de capitais privados para mutuários emergentes, afirma a instituição.