Economia

De mala a notebook, aluga-se de tudo

Da Redação ·

O confinamento imposto pela pandemia ajudou a impulsionar o mercado de aluguel e assinatura que, antes da crise sanitária, começava a conquistar espaço no Brasil. Considerado um tipo de consumo mais consciente, por compartilhar produtos, as locadoras oferecem extensa gama de itens, que vão de tablets a tapetes, quadros, brinquedos, bolsas, óculos, malas e bagageiros a móveis como sofás e camas, além de eletrodomésticos.

continua após publicidade

A maior parte das locações é feita por startups, de forma online, por prazos de dias, meses e até anos. Elas também são responsáveis pela manutenção e assistência aos produtos. Algumas têm estoque próprio, outras têm a plataforma e os itens são oferecidos por terceiros.

Para especialistas, a "revolução do aluguel", ou economia compartilhada, tem potencial para contribuir com 30% do PIB de serviços brasileiro a longo prazo. Na avaliação de Marcos Gomes Rabelo, analista de Negócios do Sebrae/SP, o compartilhamento é uma maneira de economizar. "Se não preciso ter algo todos os dias à disposição, por que investir uma grande quantia na compra e manutenção desse bem, se posso alugá-lo só quando precisar?"

continua após publicidade

Rabelo ressalta ainda que as pessoas estão cada vez mais preocupadas com fatores ambientais e engajadas com um consumo consciente, que economiza recursos naturais e preserva o meio ambiente. Para ele, "a locação democratiza o acesso a produtos e serviços, ao mesmo tempo que possibilita ganho extra de renda para quem compartilha".

Após 147 anos no ramo de produção e venda de móveis, a Riccó entrou, há quatro ano, na área de locação corporativa para ambientes de trabalho. O negócio estava a todo vapor quando veio a pandemia. Com o home office, empresas devolveram quase 6 mil conjuntos alugados de mesas e cadeiras.

Paralelamente, a Riccó passou a receber demandas de móveis para o home office do consumidor comum e de empresas alugando para os funcionários. Também chegaram pedidos de sofás, poltronas, mesas, berços e cômodas. O novo nicho levou o grupo a criar, em fevereiro, a Spaceflix, empresa focada na locação ao consumidor final.

continua após publicidade

Na opinião de Fábio Riccó, diretor geral da empresa, há uma mudança na forma de consumir, principalmente entre os jovens. "O intuito é pagar pelo uso do móvel em vez da posse, pois querem ter liberdade para, quando precisarem mudar, não ter de trocar os móveis ou adaptá-los ao tamanho da nova casa."

Neste ano, já foram alugados 2,7 mil itens para home office e foram feitos 110 contratos para outros itens como mesas, sofás, quadros de parede e berços. A maior parte dos móveis é produzida na própria fábrica da Riccó.

A Aluga.com atua com equipamentos para informática e dobrou seu faturamento nos últimos 12 meses. Há seis meses, o fundador Ricardo Marcelino precisou adquirir 600 notebooks, ampliando a oferta para 5 mil aparelhos, de um total de 15 mil itens para locação. Antes voltada à locação empresarial, a startup começou a atender também pessoas físicas, grupo hoje responsável por 5% dos aluguéis.

continua após publicidade

EM CASA, CRIANÇAS EXIGEM BRINQUEDO NOVO

Há sete anos no mercado de locação de brinquedos para bebês de até quatro anos, a Okipoki passou a receber consultas para a faixa de cinco a seis anos de pais de crianças que estão na pré-escola e tiveram de ficar em casa.

continua após publicidade

A proprietária Denise Della Nina Andrade correu para adquirir outros itens e atender à nova demanda. "Tínhamos três escorregadores e agora temos 15". Ela teve também de aumentar a equipe nas áreas de entrega e de limpeza dos brinquedos.

A higienização que faz nos seus produtos virou um serviço para terceiros. Em um ano, o faturamento do negócio cresceu 30% e os gastos extras na compra dos novos itens foram recuperados. Só para bebês a Okipoki tem 300 brinquedos que podem ser locados por 14 dias a oito semanas.

COM PANDEMIA, É PRECISO SOFÁ MAIS CONFORTÁVEL

continua após publicidade

Primeira empresa de móveis por assinatura no Brasil, a Tuim tem quase tudo o que as pessoas precisam em móveis e eletrodomésticos. Entre os 150 produtos disponíveis, estão sofás, tapetes, geladeira, camas, mesas e cadeira ergonômica. Pamela Paz, criadora da startup, diz ter hoje cerca de 500 assinaturas ativas, algumas com locação de um produto e outras de apartamentos completos. A assinatura varia de 2 a 36 meses.

Segundo ela, não é possível avaliar o reflexo da crise no negócio, que iniciou operação no fim de 2019. Mas diz que a pandemia trouxe visibilidade para a Tuim. "Muitos precisaram de móveis para home office e houve movimento grande de pessoas que nunca ficaram em casa tanto tempo e começaram a perceber, por exemplo, que o sofá não era tão confortável ou que precisavam de uma lavadora."

SE GOSTAR DA ROUPA, PODE ATÉ FAZER UMA OFERTA

continua após publicidade

Isabel Braga Teixeira passou dois anos no Vale do Silício e voltou ao Brasil em 2015 com o propósito de criar uma startup de compartilhamento de itens de luxo. Começou alugando seu acervo próprio, depois ampliou para outros itens como bolsas, acessórios, óculos e roupas para esqui disponibilizados por terceiros.

A Closet BoBags se transformou em um marketplace, com 2,5 mil itens disponíveis e 40 mil clientes cadastrados. Tem escritórios no Rio e em São Paulo. "Nossa oferta de produtos aumentou cinco vezes em relação ao ano passado", diz Isabel.

Na pandemia ela decidiu combinar a locação com a venda. A pessoa aluga o produto e, se gostar, pode fazer um oferta de compra. Hoje, 80% da receita da empresa vêm do aluguel e 20% das vendas.

TUDO PARA EVITAR APERTO NA HORA DAS VIAGENS

Luciano Bello sentiu na pele o que é programar uma viagem de fim de semana e não poder levar tudo o que precisa, pois metade do porta-malas do carro foi ocupado pelas coisas do bebê. Pensando na situação, criou a Volume4Trip para locação de bagageiros, suporte de bicicletas, rack para tetos e cadeirinha infantil.

A startup entrou no mercado em dezembro, após ser escolhida para um programa de aceleração do Sebrae. O modelo é o de compartilhamento: o proprietário coloca itens para locação quando não está usando. A plataforma fica com 30% do valor do aluguel. Um bagageiro de teto custa de R$ 5 mil a R$ 7 mil. A locação diária custa de R$ 40 a R$ 50. Por sugestão dos clientes, Bello estuda ampliar a oferta de produtos e oferecer, por exemplo, motorhomes - "mercado que tem crescido muito na pandemia".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.