CVM suspende julgamento de caso sobre testes de impairment na Petrobras - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Economia

CVM suspende julgamento de caso sobre testes de impairment na Petrobras

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) suspendeu o julgamento do processo administrativo sancionador que analisa se houve inconsistências na elaboração (ou falta) de testes de valor recuperável (impairment) para a Refinaria Abreu e Lima (Rnest) e o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) entre 2010 e 2014. Um pedido de vista da diretora Flávia Perlingeiro adiou o veredicto da autarquia sobre o caso.

Um total de 40 ex-diretores executivos, conselheiros de administração e fiscais da petroleira são acusados. Se confirmado o voto proferido nesta terça-feira, 25, pelo diretor Henrique Machado, entretanto, apenas oito envolvidos serão condenados por irregularidades nos testes de impairment referentes à Refinaria Abreu e Lima nos exercícios de 2010 e 2012, únicos em que o diretor considerou comprovadas falhas. As multas propostas somam R$ 1,35 milhão.

O executivo concluiu que deveriam ser responsabilizados os diretores de Abastecimento naqueles exercícios, a quem competia a decisão final sobre a necessidade de realização de testes de imparidade para ativos de refino, de responsabilidade de sua área de negócios. Em função disso, Machado votou por multa individual de R$ 150 mil a Paulo Roberto Costa (2010) e José Carlos Cosenza (2012).

A análise é que os diretores da área que abrigava a Rnest e o Comperj violaram o dever de diligência em relação à companhia, e podem ter induzido investidores a erro ao impedirem que o balanço retratasse a verdadeira situação financeira da companhia.

O relator propôs ainda que Almir Barbassa seja multado em um total de R$ 300 mil, na qualidade de diretor Financeiro naqueles anos. Isso porque as regras da companhia previam que o setor de contabilidade estava sob a alçada do diretor de finanças, também responsável por elaborar as demonstrações financeiras da companhia.

Caso o veredicto de Machado seja confirmado, José Sérgio Gabrielli e Graça Foster também deverão ser multados em R$ 150 mil cada. Isso porque como presidentes da companhia em 2010 e 2012, respectivamente, cabia a eles acompanhar e supervisionar o trabalho da diretoria executiva e cobrar a realização dos testes.

Os membros do conselho de administração em 2010 - lista que inclui o ex-ministro Guido Mantega, o empresário Jorge Gerdau e o ex-BNDES Luciano Coutinho - foram considerados inocentes por Machado, porque não havia sinais de alerta e nem ressalvas apontadas pelos auditores independentes que os levassem a aprofundar a análise sobre a avaliação da refinaria.

Entre os membros do Conselho de Administração, Machado indicou a condenação somente daqueles que faziam parte do Comitê de Auditoria em 2012. Assim, Josué Gomes da Silva, Francisco de Albuquerque e Sérgio Quintella deveriam, segundo o diretor, receber pena pecuniária de R$ 150 mil cada.

Falhas na avaliação de ativos

Em relação às demonstrações do exercício de 2010, a acusação apontou como uma falha da administração a ausência de teste de impairment da Rnest, apesar de fortes indícios de perda do seu valor recuperável. A principal foi a alta dos custos do projeto de US$ 4,1 bilhões para US$13,3 bilhões. Para Machado, o salto no orçamento era alerta suficiente para a diretoria determinar a verificação.

Para 2012, o entendimento do relator foi que a Rnest não deveria ter sido incluída entre os ativos da Unidade Geradora de Caixa (UGC) Abastecimento - que englobava o conjunto de ativos de refino, terminais e dutos da petroleira - para fins de teste de impairment naquele momento.

O motivo é que ainda estavam em aberto negociações para uma sociedade com venezuelana PDVSA e, se fechado o acordo, a Petrobras não teria independência para fazer a gestão estratégica da Rnest, que teria que ser apartada dos demais ativos da área de Abastecimento.

Esse foi o terceiro caso seguido sobre desdobramentos societários da corrupção revelada pela Lava Jato na estatal suspenso por um pedido de vista. O mesmo ocorreu na segunda-feira com os processos sobre irregularidades na aprovação de obras das duas refinarias, dessa vez a pedido do diretor da CVM Gustavo Gonzalez. Ainda não há uma nova data marcada para a conclusão dos mesmos.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "CVM suspende julgamento de caso sobre testes de impairment na Petrobras"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Todos os candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.