Mais lidas

    Economia

    Economia

    Correção: Bolsa realiza lucros e fecha em baixa de 0,84%, a 122.987,71 pontos

    Escrito por Da Redação
    Publicado em 26.05.2021, 14:19:00 Editado em 26.05.2021, 14:22:29
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    A nota enviada anteriormente, na terça-feira, 25 de maio, continha uma imprecisão no último parágrafo. A Alelo, do setor de benefícios, lançará plataforma própria no segmento de adquirência e delivery, e não ingressará no segmento de adquirência para terceiros, como foi informado. Segue a nota com o texto corrigido:

    Com um olho nas preocupações do exterior, sobre a inflação global, e outro na agenda doméstica, especialmente a progressão das reformas e a possibilidade de extensão do auxílio emergencial, o Ibovespa perdeu a linha de 123 mil pontos, renovando mínimas no fim da tarde e chegando a 122.700,96 pontos no piso do dia, para fechar aos 122.987,71 pontos, em baixa de 0,84%, após ter registrado segundo melhor fechamento da história na véspera, aos 124 mil pontos. Nesta terça-feira, o índice da B3 tocou máxima, pela manhã, a 124.695,53 pontos, melhor nível intradia desde 11 de janeiro (125.075,18 pontos) - ou, dito de outra forma, o terceiro maior da Bolsa paulista.

    O giro financeiro de nesta terça ficou em R$ 28,1 bilhões - na semana, o Ibovespa avança 0,32%; no mês, 3,44%, e no ano, 3,34%. O dia foi moderadamente negativo nos mercados de Nova York, oscilando entre leves ganhos e perdas durante a sessão, em meio à avaliação mista sobre nova rodada de dados econômicos nos Estados Unidos, que dificulta antever a atitude futura do Federal Reserve com relação ao nível de estímulos monetários.

    "Devemos ver um crescimento acelerado, com crescentes pressões sobre os preços. O debate sobre a inflação ainda não acabou, mas a maioria em Wall Street acredita que (ela) será transitória", observa em nota Edward Moya, analista da Oanda em Nova York, chamando atenção, por outro lado, para a mais recente leitura sobre a confiança do consumidor americano, divulgada nesta terça, que sugere "a ideia de desaceleração do crescimento e suavização das condições do mercado de trabalho para os próximos meses".

    Nesta terça, o vice-presidente do Federal Reserve, Richard Clarida, disse que a reabertura da economia coloca pressão sobre a inflação, mas acrescentou que os "dados econômicos estão realmente confusos agora", ainda que a perspectiva para a economia americana continue "muito positiva", com possibilidade de crescimento de mais de 6%, "talvez até 7%". No cenário-base de Clarida, a inflação será "transitória", embora seja necessário acompanhar "cuidadosamente" a evolução dos preços nos próximos meses. "Queremos fazer mais progresso substancial em direção ao cumprimento de metas", acrescentou o vice do Fed. O mandato do Fed é dual, focado em inflação e emprego.

    No Brasil, a admissibilidade da reforma administrativa na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara foi um desdobramento positivo, assim como o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) de maio, divulgado pela manhã, próximo ao piso do intervalo de estimativas do mercado, o que contribui para algum alívio adicional em câmbio e nos juros futuros. Mas houve também fatores desfavoráveis, como o relato de que o governo estuda tributar ganhos de capital de instituições financeiras, afetando a rentabilidade dos bancos, observa Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença. O setor, de maior peso no Ibovespa, teve perdas nesta terça entre 0,50% (Bradesco PN) e 1,34% (BB ON).

    "Ontem, o índice subiu demais e não houve razão forte para isso. Desde ontem já havia essa possibilidade de extensão do auxílio emergencial. As commodities estão corrigindo e, hoje, houve esta grande venda individual de ações da Vale", acrescenta Monteiro, chamando atenção para venda líquida de 2,9 milhões de ações da mineradora por um único vendedor ao longo desta terça-feira, até as 16h20, em movimento interpretado como uma realização de lucros ante a recente correção observada nos preços da commodity, o que tem afetado também as ações de siderúrgicas. Nesta terça, Vale ON fechou em baixa de 2,49%, Usiminas PNA, de 3,09%, e CSN ON, de 2,39%.

    "Tivemos um ajuste técnico, com os investidores optando por colocar lucro no bolso após o forte avanço de ontem. Além do movimento técnico, também fomos impactados hoje pelo viés negativo lá fora, com certo mau humor desde os indicadores dos Estados Unidos, sobre a confiança do consumidor e as vendas de casas novas, ambos abaixo do esperado. Este receio de fora acabou impactando aqui, de forma mais destacada", diz Lucas Carvalho, analista da Toro Investimentos.

    Na ponta positiva do Ibovespa, destaque para Cielo, em alta de 7,63%, com notícia de que a Alelo, do setor de benefícios, lançará plataforma própria no segmento de adquirência e delivery e em meio a comentários sobre a cisão de Banco do Brasil e Bradesco no negócio. O papel foi seguido de Cogna (+6,65%) e Pão de Açúcar (+5,47%). Do lado negativo, Banco Inter devolveu parte dos fortes ganhos da segunda-feira, de quase 25%, ao fechar nesta terça em baixa de 6,97%, à frente de Usiminas (-3,09%) e Cosan (-2,89%).

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Correção: Bolsa realiza lucros e fecha em baixa de 0,84%, a 122.987,71 pontos"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.