Economia

Correção: Absenteísmo nas fábricas causado pela Ômicron é de 6% a 7%, diz Anfavea

Da Redação ·

Diferente do que foi informado no primeiro parágrafo da nota publicada às anteriormente, o absenteísmo de 6% a 7% nas fábricas de veículos refere-se à ausência de funcionários motivada apenas por infecções pela Ômicron, e não o porcentual total de funcionários afastados da produção, como o texto e o título indicavam. Segue a nota corrigida na íntegra.

continua após publicidade

A nova onda de contaminações por covid-19, causada pela variante Ômicron, provocou forte aumento do absenteísmo - ou seja, ausência de operários das linhas de produção em função da doença - na indústria de veículos. A Anfavea, entidade que representa as montadoras, divulgou nesta segunda-feira estimativa de que, em janeiro, o absenteísmo nas fábricas do setor motivado pela Ômicron foi de 6% a 7%, o que comprometeu o ritmo de produção, embora sem parar as linhas.

"Isso, obviamente, significa ritmo de produção menor. Talvez para fevereiro possa melhorar se, de fato, o País tiver passado de um pico (de contaminações). Estamos monitorando semanalmente", comentou Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, ao explicar o desempenho das montadoras no mês passado, o janeiro mais baixo em produção de veículos em 19 anos.

continua após publicidade

Além das ausências de funcionários motivadas pela doença, a produção do mês passado é explicada pelo fato de muitas montadoras terem adiado, em dezembro, as tradicionais férias coletivas de fim de ano, de modo que parte das fábricas seguiu parada na primeira quinzena de janeiro.

Além do impacto na produção, a escalada de contaminações da pandemia comprometeu o movimento nas concessionárias de automóveis junto com as chuvas que atingiram alguns dos maiores mercados de carros do País, como São Paulo.

Ainda que seja sazonalmente um mês mais fraco, a queda das vendas de janeiro - 38,9% contra dezembro - superou as expectativas da Anfavea. Durante a apresentação dos números à imprensa, Moraes manifestou preocupação com o impacto do aumento do custo dos financiamentos com o que classificou como "paulada na taxa de juros".

continua após publicidade

"O impacto dos juros já está acontecendo em nosso setor", afirmou Moraes, acrescentando que o risco é de o Produto Interno Bruto (PIB) terminar o ano pior do que o previsto no cenário da entidade diante das condições financeiras mais restritivas.

Os estoques de veículos, em 114,4 mil veículos, são suficientes para 27 dias de venda se considerado o ritmo fraco de consumo de janeiro. A tendência, no entanto, é de esse giro cair com a retomada do mercado esperada pela Anfavea para fevereiro.