Economia

Coordenação de CBDCs é importante para pagamentos transnacionais, diz Campos Neto

Da Redação ·

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, destacou novamente nesta segunda-feira, 18, a importância da interoperabilidade entre moedas digitais (CBDCs) de diversos países para possibilitar o seu uso em transferências internacionais. Segundo ele, esse é o principal desafio para as moedas digitais em estudo pelos Bancos Centrais.

continua após publicidade

"Os modelos e tecnologias desenvolvidos para CBDCs são diferentes entre os países, e uma coordenação entre os BCs é importante para possibilitar pagamentos transnacionais. Isso só funciona se for rápido e seguro, ou não será melhor que o sistema de criptomoedas", afirmou ele, em evento virtual sobre moedas digitais, organizado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Campos Neto lembrou que o Brasil tem se movido para uma moeda mais conversível. "Mas precisamos de uma solução de pagamentos transnacionais nos próximos anos, ou ela será encontrada por setor privado se não a encontrarmos. Essas coisas estão acelerando muito rápido", alertou.

continua após publicidade

O presidente do Banco Central disse ainda que os debates atuais tendem a focar muito nos valores de criptoativos e pouco no "network" e nos protocolos que estão sendo criados para o uso desses ativos. "O que sabemos com certeza é que não sabemos como a intermediação financeira se parecerá daqui a 3 ou 4 anos. O desafio é identificar as tendências e entender como o Banco Central atuará", afirmou.

Para Campos Neto, a questão real não é se o uso de criptos será necessário ou não, mas como a autoridades monetárias podem regular algo não linear e exponencial. "Em 2019 começamos a identificar algumas tendências, como a verticalização dos processos de vendas, conteúdo, mensagens e pagamentos. Começamos a ver uma corrida por dados, com um grande movimento de inserção de inteligência artificial na intermediação financeira", repetiu. "No Brasil, começamos com o Pix e a moeda digital (CBDC) vai ter outro papel. E os criptoativos terão outra parte", completou.

No mesmo evento que contou com a participação de Campos Neto, a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, afirmou que a instituição "tem expandido de modo significativo" seu trabalho na frente do dinheiro digital.

continua após publicidade

Ela disse que uma das questões em foco do FMI neste momento é a interoperabilidade. "Como as moedas digitais dos bancos centrais podem se comunicar umas coisas outras?", apontou, defendendo que se evite a fragmentação e se apoie a cooperação.

Outro ponto importante é a regulação e como ela pode ser ágil e se adaptar às mudanças. Segundo ela, é crucial haver a capacidade de "seguir o dinheiro digital" para identificar eventuais problemas.

Kristalina Georgieva ainda defendeu a importância de se reforçar as capacidades de enfrentar ataques cibernéticos, nesse contexto.