Economia

Com fluxo, Bolsa emenda terceiro ganho, em alta de 0,32%

Da Redação ·

Após ter passado boa parte da sessão bem perto da estabilidade, oscilando entre leves ganhos e perdas, o Ibovespa conseguiu se firmar em terreno positivo em meados da tarde, endereçando a terceira alta consecutiva, desta vez de 0,32%, aos 110.132,53 pontos, renovando assim o melhor nível de fechamento desde 21 de fevereiro, então acima dos 113 mil. Pouco antes das 15h, o Ibovespa se descolou do dia misto em Nova York, na véspera do feriado de Ação de Graças nos EUA, para se firmar na casa de 110 mil, nas máximas desta quarta-feira, 25, de poucas novidades para os negócios.

continua após publicidade

Na máxima de hoje, o Ibovespa foi aos 110.595,81 pontos, melhor nível intradia desde 26 de fevereiro, enquanto Wall Street seguia no negativo. Ao final, Dow Jones mostrava perda de 0,58%, após ter tocado e superado os 30 mil pontos pela primeira vez no dia anterior, com S&P 500 também em baixa no fechamento desta quarta-feira, de 0,16% - Nasdaq avançou 0,48%. Na semana, o Ibovespa sobe 3,86% e, no mês, 17,22%, limitando a perda do ano a 4,77%. Na mínima, o índice foi hoje aos 109.315,21, saindo de abertura aos 109.786,37 pontos.

Nos EUA, "uma enxurrada de dados confirma quadro misto para a economia: os pedidos de auxílio-desemprego estão aumentando e os dados de bens duráveis melhoram, enquanto o consumo pessoal é revisado para baixo e os números do comércio decepcionam", aponta em nota Edward Moya, analista de mercado da OANDA em Nova York. Por outro lado, as indicações do presidente eleito, Joe Biden, para o futuro gabinete de governo têm confortado o mercado, com a expectativa de que 2021 venha a ser melhor na economia e no enfrentamento da pandemia, ainda fora de controle nos Estados Unidos.

continua após publicidade

Na B3, o giro financeiro desta véspera de feriado americano foi de R$ 31,5 bilhões, abaixo do dia anterior (R$ 36,9 bilhões), mas acima do observado na sexta (20) e na segunda-feira (23). Os investidores estrangeiros voltaram a registrar aporte positivo no pregão da segunda-feira, 23, quando ingressaram com R$ 698,062 milhões no mercado acionário à vista, segundo dados da B3. Naquele dia, o Ibovespa fechou em alta de 1,26%, a 107.378,92 pontos e giro financeiro de R$ 28,5 bilhões, sustentado pelo desempenho positivo das ações ligadas ao mercado de commodities e exportação, como Petrobras e Vale. No mês, o ingresso líquido de recursos estrangeiros chega agora a R$ 26,7 bilhões.

"O fluxo estrangeiro se concentra nas grandes blue chips - Petrobras, Vale e bancos - e o que temos visto em novembro, com fluxo estrangeiro como há muito tempo não se via, é uma recuperação do Ibovespa a partir dessas ações. Em movimento de proteção, o doméstico vem junto, em rotação de carteira, usando como 'funding' ações de setores que andaram melhor na pandemia, como o de comércio eletrônico, em direção às que ficaram para trás nesse período e que se recuperam agora com o interesse estrangeiro", observa Guto Leite, gestor de renda variável da Western Asset.

No mês, Petrobras ON e PN sobem respectivamente 40,32% e 38,60%, com Vale ON em alta de 24,69% (esta ampliando os ganhos do ano a 47,14%), enquanto as ações de bancos avançam entre 19,19% (BB ON) e 26,71% (Santander), com perdas no ano ainda entre 13,31% (Santander) e 30,99% (Banco do Brasil). Em 2020, Petrobras PN ainda acumula perda de 13,02% e a ON, de 15,85%.

continua após publicidade

"Desde a eleição americana, o Brasil tem se beneficiado desta migração de recursos para emergentes e também deste 'trade' das ações da 'pandemia' para as da 'reabertura' da economia. É um movimento global: não à toa, o Brent, um ativo associado à mobilidade e à retomada da atividade, é o grande destaque de recuperação, acima de metais e 'soft' commodities", acrescenta o gestor.

Nesta quarta-feira, destaque para Vale ON (+0,94%) e para alguns nomes da siderurgia, como CSN (+2,52%) e Usiminas (+7,05%, segunda maior alta do Ibovespa na sessão). As ações da Petrobras tiveram desempenho misto (PN +0,11% e ON -0,67%), enquanto as de bancos cederam terreno, à exceção de Santander (+0,30%). Na ponta do Ibovespa, CVC fechou em alta de 9,79%, à frente de Usiminas e de PetroRio (+5,96%). No lado oposto, Cogna cedeu 2,79%, Ambev, 1,76%, e Yduqs, 1,73%.