Economia

Cautela interna impede Ibovespa de acompanhar alta externa

Da Redação ·

Após tentar recuperação em leve alta na faixa dos 112 mil pontos, o Ibovespa passou a cair, chegando até mesmo a perder os 111 mil pontos. A mudança acontece na esteira do recuo das commodities no exterior, que afeta principalmente ações de primeira linha como Petrobras e Vale. Internamente, o temor de uma paralisação dos caminhoneiros após os reajustes nos preços dos combustíveis está no radar e gera cautela, ainda mais em uma semana de decisão de política monetária no Brasil e nos Estados Unidos.

continua após publicidade

O Ibovespa recua, apesar da alta das bolsas americanas, que sobem na esteira de expectativas de avanço nas conversas entre Rússia e Ucrânia Internamente. Já aqui a possibilidade de paralisação dos caminhoneiros, pesa, diz o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus.

"A chance de acontecer uma greve está crescendo. Além disso, o aumento de casos de covid na China atinge em cheio o minério de ferro, gerando mais pressão sobre a inflação global e elevando temores de mais problemas na cadeia de suprimentos", avalia o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus.

continua após publicidade

Às 11h10, o Ibovespa cedia 0,59%, aos 111.050,87 pontos, após cair 0,97%, na mínima aos 110.632,13 pontos. Na máxima diária marcou 112.298,93 pontos, em queda de 0,97%.

"As commodities acabam forçando a Bolsa para uma queda acentuada", diz Leonardo Santana, especialista em ações da Top Gain. Segundo ele, o "driver" da semana é a expectativa de alta dos juros americanos, especialmente neste cenário de conflito no Leste Europeu.

Apesar da alta externas, Alexandre Brito, sócio da Finacap, reforça que o foco principal continua sendo a guerra, diante da expectativa de avanço nas negociações entre Rússia e Ucrânia para colocarem fim ao conflito. Apesar da reunião em curso, Brito não se empolga, ora, já que não vê sinal de estabilização deste cenário.

continua após publicidade

Por isso, acredita que a alta do índice seja moderada, ainda mais por conta da espera das decisões de política monetária no Brasil e nos EUA. "O BC deve subir a Selic em um ponto, para 11,75% na quarta. O Focus já mostrou hoje aumento projeção foi de 12,25% para 12,75%. O mercado também fica de olho nessa questão dos combustíveis", afirma.

"Mais uma semana começando, com um importante evento na atenção do mercado brasileiro: a reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), que anunciará a nova taxa básica de juros do Brasil, a Selic. Esperamos uma alta de 1 ponto porcentual, com a Selic chegando em 11,75% ao ano", afirma em nota Antônio Sanches, especialista em investimentos da Rico.

Em relação ao Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), espera-se que ocorra a primeira alta dos juros desde o início da pandemia, diz Sanches. Além disso, há grande expectativa em relação ao ritmo de aumento da taxa e do tempo de elevação. As decisões do Copom e do Fed ocorrerão na quarta-feira.

Antes disso, o noticiário corporativo doméstico fica no radar. A Gol, por exemplo, reportou prejuízo líquido de R$ 2,8 bi no quarto trimestre de 2021 revertendo lucro de R$ 16,9 milhões em igual período de 2020. Após o fechamento da B3, saem os resultados de Magazine Luiza e EcoRodovias.