Cautela externa e debate sobre taxas de bancos limitam alta do Ibovespa - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Economia

Cautela externa e debate sobre taxas de bancos limitam alta do Ibovespa

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

Leve aversão a risco volta a incomodar os mercados nesta quinta-feira, 6, diante de um quadro claudicante em relação ao ritmo de recuperação da atividade mundial. Balanços fracos e a manutenção do juro e do programa de estímulo pelo Banco da Inglaterra colocam ainda mais dúvidas nos investidores, que já estão à espera de um novo pacote de ajuda econômica dos EUA.

Ao mesmo tempo, a atividade doméstica requer cuidado, principalmente após a taxa de desemprego subir a 13,3% no segundo trimestre, mais que a mediana das estimativas e de resultados anteriores. Além disso, o debate sobre a criação de novos impostos no País impede que o investidor fique tranquilo.

Nesta quinta à tarde, o Senado deve votar o projeto que limita as taxas de juros do cheque especial e do cartão de crédito durante a pandemia de covid-19, entre março e dezembro deste ano. O assunto deve ficar no centro das atenções, já que envolve um setor (financeiro) que tem participação relevante na Bolsa brasileira, e o assunto acaba por mexer no desempenho das empresas, lembra Marcio Loréga, analista da Ativa Investimentos.

Às 10h53, o Ibovespa subia 0,08%, aos 102.889,09 pontos.

A despeito dessa cautela, o desempenho melhor que o esperado nos pedidos de auxílio-desemprego nos EUA, informados há instantes, traz certo alívio e pode permitir uma perspectiva pouco mais otimista em relação ao payroll, diz Lórega. "É um primeiro passo", avalia.

O relatório oficial do mercado de trabalho norte-americano será informado na sexta-feira e a expectativa é de geração de vagas. Os pedidos de auxílio-desemprego caíram 249 mil na semana, a 1,186 milhão, ante previsão 1,423 milhão.

"Alguns balanços de grandes bancos na Europa pesam, assim como a decisão do Banco da Inglaterra. Vamos ver o que pesará mais hoje", diz. "O mercados estão claudicantes, enquanto não se tem novos anúncios de estímulo. Não basta só manter os que já foram implementados. Diante de tanta incerteza, temor de uma segunda onda por covid-19, espera-se mais estímulos, para que o mundo não fique ainda mais propenso a entrar em recessão", afirma Lórega. Conforme o analista, apesar de o corte de 0,25 ponto porcentual da Selic, em tese, ser benéfico para a Bolsa, já havia sido precificado na véspera pelo mercado. Ontem, o Copom diminuiu o juro para 2,00%.

No Brasil, além de o investidor ficar de olho no debate sobre impostos, acompanha o desenrolar sobre a presidência do Banco do Brasil, que ainda está vazia. O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que André Brandão aceitou assumir comando do BB.

Na seara dos balanços, o BB teve lucro líquido em linha com projeções do mercado, R$ 3,311 bilhões, enquanto a Braskem teve prejuízo líquido de R$ 2,476 bilhões no segundo trimestre, após lucro.

De olho ainda em Petrobras, com a noticia de que o Campo de Búzios atinge produção mensal recorde em julho. As ações do BB cediam 0,35%, às 10h54, enquanto as da Braskem caíam 1,03% e as da Petrobras subiam 0,26% (PN) e 0,29% (ON).

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Cautela externa e debate sobre taxas de bancos limitam alta do Ibovespa"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.