Mais lidas

    Economia

    Economia

    Carrefour não pretende fazer cisão entre atacarejo e varejo, diz CEO

    Escrito por Da Redação
    Publicado em 24.03.2021, 09:51:00 Editado em 24.03.2021, 09:56:25
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    O Carrefour não pretende fazer a cisão entre seus negócios de multivarejo e atacarejo, pelo menos no momento. Em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira, 24, para falar sobre a compra do Grupo BIG, o CEO do Carrefour, Noël Prioux, afirmou que para a empresa, um ecossistema global faz mais sentido que um sistema dividido.

    "Nós consideramos que temos muitas sinergias, não obrigatoriamente de compra. Consideramos que ter um ecossistema global é melhor que ter um ecossistema separado", afirmou Prioux. No começo do mês, o GPA, que no agregado era o segundo maior grupo varejista do País, dividiu seus ativos entre o Assaí, de atacarejo, e o restante do grupo, com bandeiras como Extra e Pão de Açúcar.

    Os executivos do grupo lembraram que quando compraram o Atacadão, em 2007, havia pouca aposta no mercado no sucesso do chamado "cash and carry", que hoje é o formato que mais cresce no setor. "É difícil dizer o formato de sucesso em 15 anos, por isso é importante termos uma carteira ampla", afirmou Stephane Engelhard, diretor de Relações Institucionais.

    Pagamento

    O adiantamento de R$ 900 milhões que o Grupo Carrefour fará aos acionistas do Grupo BIG na compra da varejista será financiado totalmente pelo caixa da operação brasileira, de acordo com Sebastien Durchon, vice-presidente de Finanças e Diretor de Relações com Investidores do Carrefour.

    Segundo ele, a sede na França não financiará a transação, porque a filial brasileira tem situação financeira confortável o suficiente para arcar com os custos. "Lá na frente, no fechamento, temos que pagar 70% do preço, em caixa, e vamos tomar linhas de dívida no futuro", afirmou o executivo na entrevista coletiva.

    De acordo com Durchon, o pagamento de R$ 5,5 bilhões em dinheiro no âmbito da transação não será difícil para a empresa. "Isso é uma vez o nosso Ebitda. Vamos alcançar uma alavancagem baixa", afirmou.

    A estrutura da transação prevê que parte da compra será financiada com a emissão de ações do Carrefour Brasil, que serão entregues aos acionistas do BIG. Com isso, Walmart e Advent entrarão na base acionária da companhia.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Carrefour não pretende fazer cisão entre atacarejo e varejo, diz CEO"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.