Economia

Busca por Black Friday sobe 20% em relação a 2019

Da Redação ·

A procura na internet por descontos na Black Friday está em alta e a expectativa é que as vendas no e-commerce batam recordes em um ano marcado pela pandemia - que obrigou o consumidor a amadurecer digitalmente, ao mesmo tempo em que reduziu a atratividade das lojas físicas. Segundo levantamento do Google, obtido com exclusividade pelo Estadão/Broadcast, as buscas por Black Friday já eram 20% maiores entre os dias 11 e 17 de novembro que no mesmo período de 2019.

continua após publicidade

Segundo a consultoria Ebit/Nielsen, o comércio online no evento deste ano deve crescer 27% em relação a 2019, considerando as vendas entre hoje e amanhã, o dia propriamente dito do evento. Nos cálculos ABComm, associação brasileira de e-commerce, o crescimento deve ficar em torno de 77% na comparação anual, contando as vendas de hoje até a próxima segunda.

O Google fez também o recorte das categorias com maior crescimento na busca entre os dias 14 e 20 de novembro em comparação com o mesmo período do ano passado. Lideram a lista os tablets e leitores digitais, com alta de 56%. Na sequência, vêm computadores, com aumento de 54%; a categoria de cama, mesa e banho, com buscas 53% maiores; acessórios de informática, com alta de 49%; moda para bebês, 46% mais buscada; e artigos para animais de estimação, com alta de 45%.

continua após publicidade

Sem aglomeração. Nas lojas físicas, a preocupação com o avanço do coronavírus deve impedir as cenas de tumulto e de disputa por produtos comuns nas edições anteriores do evento. As grandes redes varejistas não planejam grandes ações nas unidades e algumas apostam em lives para atrair o consumidor e apresentar descontos.

O Magalu fará evento online a partir das 22h30 de hoje até a meia-noite e meia, com apresentação da atriz Taís Araújo e de Luciano Huck e show de Anitta. A Americanas vai comandar o evento principal Show da Black Friday, organizado pelo YouTube, das 21h à 1h. A apresentação será feita pelo youtuber e empresário Felipe Neto.

A rede, ao contrário das concorrentes, vai manter 1,5 mil de suas lojas abertas 24 horas de hoje para amanhã. Em nota, a empresa afirmou que a medida visa a evitar aglomerações e que haverá gestão de fluxo de clientes.

continua após publicidade

O Extra, que costumava reunir uma multidão de consumidores em uma loja da zona sul de São Paulo à meia-noite, terá suas unidades funcionando em horário normal para evitar aglomeração.

De acordo com Magalu, Americanas, Via Varejo - dona das Casas Bahia e Ponto Frio - e Extra, todas as lojas têm reforçado as medidas de proteção adotadas desde o início da pandemia de covid-19.

A recomendação, porém, é que os clientes também façam a sua parte. "O consumidor precisa respeitar a dinâmica para não prejudicar a loja", diz o assessor econômico da FecomércioSP, Guilherme Dietze, frisando a necessidade o uso de máscara e álcool em gel. (Colaborou Luciana Lino, especial para o Estadão)

continua após publicidade

CUIDADOS NA HORA DA COMPRA

Prefira lojas conhecidas Caso contrário, consulte a reputação da marca em sites como o Reclame Aqui, onde é possível filtrar as reclamações. Procure informações cadastrais como CNPJ, razão social e telefone fixo para contato. Desconfie de links patrocinados em sites de pesquisas. Fraudadores costumam pagar para terem seus links maliciosos com destaque.

continua após publicidade

Pagamento

Uma das formas de pagamento mais seguras é o cartão de crédito: além de eventuais seguros cobertos pela própria bandeira, é possível solicitar o estorno da compra se houver problema. Outra maneira de evitar a clonagem de dados é o uso do cartão virtual e, agora, o Pix, o sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central - neste caso, o pagamento é à vista.

Prazo de entrega

Se a loja, física ou virtual, não entregar os produtos comprados no prazo combinado, o consumidor pode cancelar a compra e ter seu dinheiro de volta sem pagar nenhuma taxa, já que a desistência, nesse caso, foi provocada pelo estabelecimento comercial.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.