Economia

Bolsas de NY recuam com aversão a risco, liquidação de criptomoedas e ata do Fed

Da Redação ·

As bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta quarta-feira, 19, em meio à cautela no mercado com temores inflacionários e uma liquidação de criptomoedas. Além disso, os índices acionários aceleraram a queda após a ata da mais recente reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) mostrar que alguns dirigentes disseram que pode ser apropriado iniciar o debate sobre a redução do programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês) nos próximos encontros.

continua após publicidade

O Dow Jones encerrou em baixa de 0,48%, a 33.896,04 pontos, enquanto o S&P 500 caiu 0,29%, a 4.115,68 pontos, e o Nasdaq recuou 0,03%, a 13.299,74 pontos, com uma melhora nos minutos finais do pregão.

Para analistas do CIBC, a ata mostrou que alguns dirigentes do Fed estavam percebendo em abril mais pressões inflacionárias do que antes. No documento, participantes mencionaram os riscos representados pelos gargalos nas cadeias de produção, que desequilibram oferta e demanda. No entanto, o CIBC ressalta que o movimento de alta nos preços ainda foi majoritariamente atribuído a fatores transitórios. Com a reunião ocorrendo entre os dias 27 e 28 de abril, o documento não refletiu a publicação mais recente do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do país, que registrou avanço forte.

continua após publicidade

Seguindo a sugestão da discussões sobre QE, a Oxford Economics prevê que o Fed anunciará os planos de redução das compras de ativos em agosto e começará a diminuir o relaxamento quantitativo (QE) no início de 2022, com alta da taxa básica de juros em 2023. Segundo a Pantheon Macroeconomics, o movimento não é "surpreendente", ainda que os mercados de ações "não tenham gostado" tendo em vista uma possível retirada de estímulos.

Em meio ao movimento, as ações do setor financeiro fecharam em baixa. Morgan Stanley (-0,96%) e Goldman Sachs (-1,70%) foram alguns dos principais recuos. Outra queda relevante do dia foi da Tesla, que caiu 2,49%, envolvida na recente volatilidade das criptomoedas, com seu CEO, Elon Musk, sendo um dos principais protagonistas do cenário que levou à recente desvalorização do bitcoin. Outras big techs começaram o dia pressionadas, mas se valorizaram durante a sessão e ajudaram o Nasdaq a fechar perto da estabilidade. Facebook (+1,17%), Microsoft (+0,40%) e Alphabet (+0,40), que controla a Google, avançaram.

Com a forte queda no barril de petróleo hoje, ações de petroleiras também registraram perdas. Chevron (-2,77%) e ExxonMobil (-2,40%) recuaram e pressionaram os índices acionários.