Economia

Bolsas de NY fecham sem direção única; techs limitam otimismo por vacina e Biden

Da Redação ·

As bolsas de Nova York dispararam durante o pregão desta segunda-feira, 9, com os mercados financeiros impulsionados pela eleição de Joe Biden nos Estados Unidos e por um avanço em uma vacina experimental para a covid-19, mas devolveram parte dos ganhos e fecharam sem direção única. O índice acionário Nasdaq, principalmente, foi pressionado por ações de grandes empresas de tecnologia e serviços de comunicação, que foram beneficiadas com o home office e poderão perder atratividade se uma vacina resultar no controle da pandemia.

continua após publicidade

Com uma redução dos ganhos no final do sessão, o Dow Jones subiu 2,95%, a 29.157,97 pontos, e o S&P 500 avançou 1,17%, a 3.550,50 pontos. Os dois índices alcançaram máximas intraday durante a sessão. O Nasdaq, por sua vez, encerrou em baixa de 1,53%, a 11.713,78 pontos.

As ações que mais se valorizaram hoje foram aquelas de empresas que serão beneficiados por uma reabertura econômica total caso a pandemia de covid-19 termine. Os subíndices de energia e financeiro lideraram os ganhos no S&P 500, subindo 14,22% e 8,17%, respectivamente.

continua após publicidade

No setor aéreo, Boeing avançou 13,71% e American Airlines subiu 15,18%. Entre as petroleiras, Chevron registrou alta de 11,60%. Entre as operadoras de cruzeiros, Royal Caribbean disparou 28,78%. No setor bancário, os papéis do JPMorgan ganharam 13,54% e os do Citigroup 11,54%.

O apetite por risco no mercado acionário americano foi impulsionado pela informação de que a vacina experimental contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica americana Pfizer em parceria com a alemã BioNTech se mostrou 90% eficaz na prevenção do coronavírus. As ações da Pfizer avançaram 7,69%.

"Os resultados positivos representam um marco na busca por uma solução significativa para a pandemia", afirma a economista-chefe do Stifel, Lindsey M. Piegza. Após o anúncio das farmacêuticas, o JPMorgan passou a prever que o S&P 500 encerrará 2020 em um nível acima dos 3.600 pontos e alcançará 4.000 pontos no início de 2021. "O mercado de ações está enfrentando um dos melhores cenários para ganhos sustentados em anos", dizem os analistas do banco americano.

continua após publicidade

Antes disso, o clima já era de otimismo entre os investidores, após a eleição de Joe Biden para a presidência dos EUA ter sido confirmada no final de semana. Apesar da ofensiva do presidente Donald Trump para judicializar o resultado eleitoral, o mercado foca na perspectiva de uma presidência democrata juntamente com um Senado republicano, o que poderia barrar aumentos de impostos e regulações.

Os setores de tecnologia e serviços de comunicação, por outro lado, caíram 0,73% e 0,25%, respectivamente, no S&P 500, e puxaram uma redução nos ganhos dos índices acionários no final do pregão. Apple recuou 2,00%, Amazon cedeu 5,06% e Facebook caiu 4,99%. As gigantes de tecnologia foram beneficiadas com o home office adotado nos últimos meses pelas empresas para restringir a circulação de pessoas durante a pandemia. Caso uma vacina seja aprovada, essas ações podem perder o apelo entre investidores.

No início da sessão, a Dow Jones Newswires chegou a informar que o Dow Jones e o S&P 500 mostravam o melhor início de mês desde 1939 e o Nasdaq, desde 2002.