Economia

Bolsas de NY fecham mistas, com covid e impasse fiscal atenuado por Disney

Da Redação ·

Os principais índices acionários das bolsas de Nova York fecharam mistos nesta sexta-feira, 11. Investidores seguem cautelosos por conta da segunda onda de infecções do novo coronavírus nos Estados Unidos, que ontem atingiu seu recorde de óbitos por covid-19 em um dia. Na tarde de hoje, o governador de NY, Andrew Cuomo, anunciou que restaurantes não poderão mais servir em ambientes internos a partir da segunda-feira na capital do Estado. O salto nas ações da Disney, porém, permitiu ao Dow Jones encerrar o dia em alta.

continua após publicidade

Enquanto os índices S&P 500 e Nasdaq fecharam em queda de 0,16% e 0,23%, aos 3.663,45 e 12.377,87 pontos, respectivamente, o Dow Jones subiu 0,16%, aos 30.046,14 pontos, impulsionado pela ação da Walt Disney. A expansão da plataforma de streaming da companhia animou investidores no pregão de hoje. No acumulado semanal, o Dow Jones teve queda de 0,57%, o S&P 500 recuou 0,96% e o Nasdaq caiu 0,69%.

Já as ações de bancos se saíram mal nesta sexta-feira, com o JPMorgan recuando 0,63% e o Goldman Sachs, 1,80%. O aumento de casos de covid-19 nos EUA também prejudicou ações de empresas aéreas. A American Airlines recuou 5,23% no pregão de hoje, acompanhada por JetBlue Airlines (-4,52%) e United Airlines (-2,58%).

continua após publicidade

A cautela do mercado prevaleceu, inclusive, ante à perspectiva de que uma vacina contra a covid-19 seja aprovada em breve nos EUA. Ontem, um painel consultivo do Food and Drug Administration (FDA, na sigla em inglês), órgão regulador americano, recomendou que o imunizante fabricado por Pfizer e BioNTech seja aprovado pela agência. Nesta sexta-feira, o secretário de Saúde dos EUA, Alex Azar, declarou que o FDA informou à Pfizer sua intenção de regulamentar o uso da vacina.

Os investidores também monitoram os impasses que envolvem a negociação por um pacote de estímulo fiscal nos EUA. Sem sinalizar maiores avanços, o senador e líder republicano na Casa, Mitch McConnell, afirmou que representantes de seu partido e democratas devem fazer concessões para chegar logo a um acordo.