Economia

Bolsas de NY fecham em baixa, de olho no desenrolar da guerra na Ucrânia

Da Redação ·

As bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta sexta, 11, em uma sessão na qual as perspectivas para a guerra na Ucrânia levaram volatilidade ao mercado. Sinalizações do presidente da Rússia, Vladimir Putin, de avanço nas negociações impulsionaram os índices, mas sugestões contrárias e o endurecimento da pressão ao país por parte do Ocidente pressionaram os ativos ao longo do dia. Na próxima semana, a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed) é destaque para investidores.

continua após publicidade

O índice Dow Jones fechou em queda de 0,69%, em 32.944,19 pontos, o S&P 500 caiu 1,30%, a 4.204,31 pontos, e o Nasdaq recuou 2,18%, para 12.843,81 pontos. Na semana, os índices caíram 1,99%, 2,88% e 3,53%, respectivamente.

Na visão da Edward Moya, analista da Oanda, as ações subiram depois que Putin viu "certas mudanças positivas" nas negociações com a Ucrânia. No entanto, o Ministro das relações exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que houve "zero progresso" nas negociações com a Rússia. "É difícil para mim entender a que progresso Putin está se referindo", afirmou a autoridade em entrevista à Bloomberg TV.

continua após publicidade

Para Moya, as ações rapidamente "desistiram dos ganhos anteriores", já que o Ocidente parece pronto para continuar exercendo mais pressão sobre a economia russa. O presidente Joe Biden pediu a todos os aliados que suspendam o comércio com a Rússia, com os EUA proibindo muitas importações do país.

Enquanto isso, o índice de sentimento do consumidor nos EUA caiu de 62,8 em fevereiro a 59,7 em março, em dado elaborado pela Universidade de Michigan. O resultado ficou abaixo da expectativa de analistas de queda a 62,0. O Morgan Stanley projeta que o Fed eleve os juros em 25 pontos-base na próxima semana. Além disso, o banco comenta que continuará a haver foco importante entre investidores no conflito entre Rússia e Ucrânia e também na resposta fiscal à forte alta recente nos preços de energia.

Entre as empresas, ações de tecnologia sofreram quedas relevantes, como Meta (-3,89%) e Netflix (-4,61%). Já a Amazon avançou grande parte do dia, mas acabou recuando 0,88%, seguindo ainda o aprovação pelo seu conselho do desdobramento e recompra de ações, que impulsionou os papéis da empresa nos últimos dias.