Economia

Bolsas de NY fecham em baixa, com inflação e avanços nos juros dos Treasuries

Da Redação ·

As bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta quarta-feira, após o índice de preços ao consumidor dos Estados Unidos (CPI) apontar em abril alta muito acima do esperado pelos analistas. O movimento também foi influenciado pela aceleração no ritmo de alta dos juros dos Treasuries, que alimenta especulações sobre o momento em que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) poderá sinalizar o início de um novo ciclo de aperto monetário. As ações do setor de tecnologia tiveram algumas das principais baixas.

continua após publicidade

O Dow Jones fechou em baixa de 1,99%, a 33.587,66 pontos, enquanto o S&P 500 caiu 2,14%, a 4.064,04 pontos, e o Nasdaq recuou 2,67%, a 13.031,68 pontos.

Ao saltar 4,2% na comparação anual de abril, o núcleo do CPI nos EUA avançou ao ritmo mais acelerado em 12 anos e confirmou o impacto da forte retomada econômica nos preços.

continua após publicidade

A divulgação do indicador impulsionou os juros dos Treasuries e alimentou a onda de vendas de ações em Wall Street, sobretudo no setor de tecnologia. Os juros da T-note de 10 anos chegaram próximos de 1,7%, atingindo o pico intraday em um mês.

Como historicamente tendem a pagar menos dividendos que outros setores, as empresas de tecnologia costumam ficar em desvantagem quando há aumento sustentado dos rendimentos de títulos públicos. Facebook (-1,30%), Apple (-2,49%), Alphabet (-3,08%), que controla a Google, Amazon (-2,23%), Microsoft (-2,94%) e Tesla (-4,42%) recuaram.

As bolsas renovaram mínimas durante a tarde após a publicação do déficit orçamentário dos EUA, que atingiu o recorde de US$ 1,9 trilhão nos primeiros sete meses do ano fiscal de 2021.

continua após publicidade

Depois de tombar mais de 13% na última sessão, a Novavax ampliou as perdas que se seguem ao anúncio de atrasos nos desenvolvimentos de sua vacina contra a covid-19. Nesta quarta, as ações da empresa recuaram 7,50%. Depois de altas seguindo um possível envolvimento na crise do oleoduto da Colonial Pipeline, os papéis da FireEye recuaram nesta quarta 4,52%.

Por outro lado, a Chevron avançou 0,63%, seguindo alta no barril de petróleo e perspectivas de aumento na demanda global pela commodity. Os bancos chegaram a subir em parte da sessão, mas sucumbiram ao mau humor geral e terminaram em território negativo, como Wells Fargo, Bank of America (-0,17%) e Goldman Sachs (-1,53%). A ExxonMobil seguiu o movimento, fechando em baixa de 0,89%.