Economia

Bolsas de NY fecham em baixa, com cautela por recrudescimento da covid-19

Da Redação ·

As bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta terça, em um cenário de cautela no mercado em virtude do recrudescimento da covid-19. Ações de aéreas tiveram algumas das principais baixas, em meio à imposição de medidas de restrição à mobilidade, especialmente na Europa. Por sua vez, o panorama levou os rendimentos dos Treasuries a um recuo, o que limitou as perdas do mercado acionário.

continua após publicidade

O índice Dow Jones fechou em baixa de 0,94%, aos 32.423,15 pontos, o S&P 500 com queda de 0,76%, aos 3.910,52 pontos, e o Nasdaq baixou 1,12%, aos 13.227,70 pontos.

"A euforia inicial com a chegada das vacinas acabou não se comprovando. O mercado tende a se ajustar", analisou ao Broadcast o head de renda variável da Vero Investimentos, Alexandre Jung. "Estamos entrando, agora, em um ciclo em que temos mais informações para analisar: a quantidade de vacinas, a velocidade da imunização, a distribuição. Os números ficam mais próximos da realidade. Antes, houve um otimismo exagerado, e agora temos dados concretos", afirma.

continua após publicidade

Na Europa, o cenário de restrições de mobilidade envolve países como Alemanha, Holanda e Portugal. Com isso, as companhias aéreas renovaram as perdas da segunda-feira em Wall Street, e American Airlines (-6,55%), Delta (-4,83%) e United (-6,81%) tiveram algumas da principais baixas da sessão. O setor industrial também foi particularmente afetado, com Boeing (-4,01%), Caterpillar (-3,44%) e General Eletric (-3,58%) recuando. Entre as montadoras, Ford (-4,38%) e General Motors (-3,34%) tiveram baixas relevantes.

O barril de petróleo em Londres e Nova York foi particularmente afetado pelo cenário, caindo mais de 6%, mas as ações do setor tiveram perdas menores, com Chevron (-0,56%) e ExxonMobil (-1,25%). Neste cenário, Zoom (+3,43%) e Netflix (+2,29%) tiveram ganhos, ações desde o começo da pandemia se beneficiaram restrições de mobilidade. Outro avanço em tecnologia foi da Microsoft, que subiu 0,67%, em meio negociações da empresa para a aquisição da plataforma Discord.

Aguardados pelo mercado, os testemunhos do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, e da Secretária do Tesouro, Janet Yellen, perante a Câmara dos Representantes tiveram pouco impacto nos papéis.