Economia

Bolsas de NY fecham em baixa, após pregão volátil

Da Redação ·

Os mercados acionários de Nova York tiveram jornada negativa nesta quinta-feira, 30, perdendo fôlego ao longo do dia. Em meio a declarações de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), inclusive seu presidente, Jerome Powell, e de negociações sobre a elevação do teto de gastos dos Estados Unidos, as bolsas abriram com ganhos, mas não sustentaram o movimento.

continua após publicidade

O índice Dow Jones fechou em queda de 1,59%, em 33.843,92 pontos, o S&P 500 recuou 1,19%, a 4.307,54 pontos, e o Nasdaq caiu 0,44%, a 14.448,58 pontos. No mês, houve perdas de 4,29%, 4,76% e 5,31%, respectivamente.

Os futuros de Nova York apontavam para abertura positiva e tiveram leve impulso após a divulgação de alguns dados. O Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA cresceu ao ritmo anualizado de 6,7% no segundo trimestre, um pouco acima da previsão de alta de 6,6% dos analistas. Já os novos pedidos de auxílio-desemprego aumentaram 11 mil, a 362 mil, pior que o previsto.

continua após publicidade

Após uma abertura com ganhos, a bolsa logo mostrou comportamento mais fraco, com o Dow Jones oscilando perto da estabilidade. À tarde, os índices firmaram-se em queda. O Nasdaq chegou a ensaiar ganhos em meio ao recuo em geral dos juros dos Treasuries, mas ficou oscilando perto da estabilidade, firmando-se no negativo mais para o fim da sessão.

Em depoimento a comitê da Câmara dos Representantes, Jerome Powell destacou o quadro na inflação, prevendo que ela perderá fôlego adiante. O presidente do Fed também projetou melhora em problemas atualmente vistos na cadeia de produção.

Também presente na audiência, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, também citou a "carência importante" de semicondutores, especialmente para automóveis, e voltou a insistir sobre a importância de se elevar o teto da dívida, evitando um default da dívida americana.

continua após publicidade

O Senado aprovou medida para evitar a paralisação parcial ("shutdown") do governo, e a medida também nesta quinta teve o aval da Câmara dos Representantes. Agora, o presidente Joe Biden deve promulgar a lei.

Entre ações em foco, o setor financeiro recuou mais de 1%. Citigroup caiu 1,89%, JPMorgan cedeu 1,36% e Morgan Stanley, 2,25%. No setor industrial, Boeing teve queda de 2,41%, pressionando o Dow Jones, e Caterpillar cedeu 2,98%. 3M caiu 3,02% e General Electric, 3,06%.

Já entre grandes empresas de tecnologia e serviços de comunicação o sinal foi misto. Apple caiu 0,93% e Amazon, 0,49%, mas Netflix avançou 1,88% e Twitter subiu 0,53%.