Economia

Bolsas de NY fecham em baixa, após frustração com balanços e dúvidas sobre pacote

Da Redação ·

As bolsas de Nova York fecharam o pregão desta terça-feira, 28, em baixa, com balanços corporativos piores do que o previsto pelo mercado e dúvidas dos investidores sobre o pacote fiscal de US$ 1 trilhão apresentado ontem pelo Partido Republicano e que enfrenta resistências dos democratas, que defendem um montante maior em benefícios.

continua após publicidade

Com isso, o índice acionário Dow Jones recuou 0,77%, a 26.379,28 pontos, o S&P 500 caiu 0,65%, a 3.218,44 pontos, e o Nasdaq perdeu 1,27%, a 10.402,09 pontos.

Uma aceleração nas perdas nos minutos finais de negociação selou o pregão negativo em Wall Street, mas a tendência de baixa já predominava desde cedo, com certa volatilidade.

continua após publicidade

"O índice S&P 500 está um pouco mais baixo hoje, à medida que os participantes do mercado continuam avaliando o progresso no pacote de estímulos, o crescimento dos casos de covid-19 e os balanços", escreveram analistas da corretora americana LPL Financial, em relatório de mercado divulgado no começo da tarde.

McDonald's e 3M, duas das empresas que divulgaram balanços hoje, frustraram as expectativas do mercado. Os papéis dessas companhias recuaram 2,49% e 4,75%, respectivamente. Já o resultado corporativo da farmacêutica Pfizer, agradou, e a ação da companhia que desenvolve uma vacina contra a covid-19 subiu 3,94%.

Ontem, a expectativa pelo pacote fiscal apresentado pelos republicanos chegou a impulsionar o otimismo, mas hoje o foco mudou para as negociações com o Partido Democrata, que havia aprovado um projeto de US$ 3,5 trilhões na Câmara dos Representantes em maio.

continua após publicidade

Analistas do Danske Bank esperam que as negociações entre os dois partidos se arrastem até meados de agosto. "É improvável que a proposta avance com o Partido Democrata, que exige um pacote muito maior", escreveram em um relatório de mercado.

Enquanto isso, a covid-19 segue em aceleração no país e gera incertezas sobre a retomada econômica. O índice de confiança do consumidor americano, divulgado hoje pelo Conference Board, caiu de 98,3 em junho para 92,6 em julho. O mercado esperava uma queda menor, a 94,3 pontos.

"Depois de realizar a primeira parte de uma recuperação em 'V', a economia dos EUA se estabilizou um pouco em resposta à mais recente onda da covid-19", avalia a LPL Financial.