Economia

Bolsas de NY fecham em alta, observando Ômicron e aguardando inflação nos EUA

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

As bolsas de Nova York fecharam em alta, em sessão volátil, depois dos fortes avanços recentes impulsionados por menor temor com a variante Ômicron do coronavírus. Investidores aguardam a publicação do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de novembro nos Estados Unidos na sexta-feira, o que deve apresentar um quadro da inflação no país a ser repercutido na política monetária do Federal Reserve (Fed).

continua após publicidade

O índice Dow Jones subiu 0,10%, a 35754,75 pontos, o S&P 500 avançou 0,31%, a 4701,21 pontos, e o Nasdaq fechou em alta de 0,64%, a 15786,99 pontos.

Edward Moya, analista da Oanda aponta que hoje as ações nos EUA "entraram em modo de espera para ver o relatório de inflação de sexta-feira, que pode alimentar mais apostas de aumento das taxas de juros pelo Fed". No início da manhã, os papéis receberam impulso depois que um novo estudo mostrou que o reforço da vacina da Pfizer fornece proteção contra a Ômicron, aponta Moya. Os papéis da empresa caíram 0,62%. Por sua vez, ao longo do dia, novas restrições foram impostas na Europa, incluindo no Reino Unido onde o primeiro-ministro Boris Johnson afirmou que a nova cepa vem se espalhando maia rapidamente que a delta.

continua após publicidade

Projetando 2022, a LPL Financial "espera um sólido crescimento econômico e de lucros para ajudar as ações dos EUA a obterem ganhos adicionais no próximo ano". Para a consultoria, o S&P 500 poderia ser razoavelmente avaliado em 5 mil a 5.100 pontos no final de 2022. Além disso, os analistas da consultoria favorecem os EUA em relação a outros mercados desenvolvidos, e as ações de setores cíclicos em relação aos defensivos.

Hoje, a Apple subiu 2,28%, apesar de informações sobre paralisação na produção por falta de componentes. Para Moya, a indicação é de que a empresa "continuará sendo uma posição chave para muitos investidores, especialmente agora que sua capitalização de mercado está se aproximando de US$ 3 trilhões". A Tesla teve alta de 1,64%, em dia no qual o presidente Joe Biden assinou um decreto relativo às metas para a transição verde nos EUA. Dentro do objetivo mais abrangente de zerar as emissões de carbono até 2050, uma série de intenções relativas à adoção de veículos elétricos nas próximas décadas constam no documento. O papel da Rivian, destaque recente no setor, teve ganho de 5,11%.