Economia

Bolsas de NY fecham em alta, com menor temor pela variante Ômicron

Da Redação ·

As bolsas de Nova York fecharam em alta, com as preocupações em torno da variante Ômicron do coronavírus cedendo espaço para a busca por barganhas, após quedas acumuladas nos últimos dias. Setores mais ligados ao quadro pandêmico, com aéreas e petroleiras, tiveram ganhos importantes.

continua após publicidade

O índice Dow Jones subiu 1,87%, a 35227,03 pontos, o S&P 500 avançou 1,17%, a 4591,67 pontos, e o Nasdaq teve alta de 0,93%, a 15225,15 pontos.

Sobre a Ômicron, o Goldman Sachs destaca que do "lado mais tranquilizador, a concentração de infecções recentes entre os grupos mais jovens e menos vacinados sugere pelo menos alguma imunidade da vacina contra infecções". Além disso, segundo o banco, a maioria dos especialistas prevê uma proteção vacinal significativa contra hospitalização, especialmente após reforços, enquanto a gravidade da doença condicionada ao estado de vacinação parece semelhante ao da variante delta ou mais benigna.

continua após publicidade

A percepção corrobora as falas de Anthony Fauci, o principal assessor da Casa Branca sobre temas relacionados à pandemia, ontem à CNN. Segundo ele, os sinais até agora são "encorajadores", e a maioria dos casos indica que as pessoas apresentam sintomas leves. Neste cenário, aéreas dispararam, com alta de American Airlines (+7,88%), Delta Air Lines (+6,00%) e United Airlines (+8,32%). Também ligadas a viagens, Airbnb (+8,46%) e Booking (+5,34%) avançaram. O avanço nos preços do petróleo contribuiu para os ganhos e petroleiras como Chevron (+1,56%), ExxonMobil (+1,13%), Occidental Petroleum (+2,33%) e ConocoPhillips (+2,39%).

Depois de tombar mais de 20% na última sessão seguindo o anúncio de que deixará Nova York, as ações da Didi subiram quase 10% hoje. As disputas entre EUA e China ganharam mais um contorno hoje, com a confirmação oficial do boicote diplomático de Washington à Olimpíada de inverno de Pequim em 2022 por alegações de violações de direitos humanos.

Outra alvo de atenção, a recente queda das criptomoedas pesou nos papéis da Coinbase, que caíram 0,91%.

As ações de empresas intensivas em tecnologia, que pela manhã sofreram com o avanço dos juros dos Treasuries, se recuperaram durante o pregão e fecharam em alta, com destaque para Meta (+3,59%), Apple (+2,15%), Intel (+3,53%) e Twitter (+5,70%).