Economia

Bolsas de NY fecham em alta com avanço em testes para desenvolvimento de vacina

Da Redação ·

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta segunda-feira, 20, em um dia marcado por notícias positivas a respeito das pesquisas para o desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus. Três frentes de estudos divulgaram hoje dados preliminares que sugerem que a indução de uma resposta imunológica contra a doença é possível.

continua após publicidade

O índice Dow Jones encerrou com ganho de 0,03%, a 26.680,87 pontos. O S&P 500 avançou 0,84%, a 3.251,84 pontos. O Nasdaq se valorizou 2,51%, a 10.767,09 pontos. As ações de tecnologia, em geral, tiveram bom desempenho, mas o papel da Amazon se destacou (+7,93%), após um analista do Goldman Sachs elevar o preço-alvo dos papéis de US$ 3.000 por ação para US$ 3.800 por ação.

Investidores acompanharam de perto os resultados de testes para desenvolvimento de uma vacina contra a covid-19. Logo pela manhã, a Pfizer e a BioNTech informaram que seus estudos iniciais tiveram dados promissores. Já a Universidade de Oxford e a farmacêutica anglo-sueca AstroZeneca reveleram que os mais de mil participantes da etapa inicial de suas pesquisas desenvolveram anticorpos neutralizantes. Já o projeto da chinesa Casino Biologics também disse que os 500 voluntários tiveram resposta imune.

continua após publicidade

Apesar disso, os papeis de farmacêuticas tiveram desempenhos mistos nas bolsas de Nova York. A ação da Pfizer subiu 0,70%, enquanto os American Depositary Receipts (ADRs) da BioNTech avançaram 3,46%. Por outro lado, os ADRs da AstroZeneca recuaram 3,96%. Já a ação da Moderna despencou 12,83%, após ter sido rebaixada pelo JPMorgan em meio a dúvidas sobre o real valor.

Segundo o analista de mercados financeiros da Oanda, Edward Moya, os negócios se mostram sensíveis a notícias sobre medidas de governo para estimular a economia. "Esta semana será toda sobre estímulo fiscal e parece que a União Europeia fará seu acordo, enquanto republicanos e Casa Branca concordam com uma proposta de US$ 1 trilhão que limitará o financiamento para testes de vírus", explica.

Na Europa, segundo reportagem da Bloomberg, após um final de semana de intensas negociações, os líderes europeus devem receber uma nova proposta para o Fundo de Recuperação. Pelo novo texto, o volume de subsídios diretos será reduzido a 390 bilhões de euros, um aceno para Áustria, Holanda, Dinamarca e Suécia, que defendem que a maior parte do projeto seja constituída por empréstimos.

Já em Washington, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, se reunirá amanhã com lideranças democratas no Congresso americano para discutir a nova rodada de estímulos. Segundo ele, a nova legislação será focada em criação de empregos, desenvolvimento de uma vacina e recursos para escolas.