Economia

Bolsas da Europa fecham sem direção única, com avanço da covid e pacote nos EUA

Da Redação ·

As bolsas da Europa fecharam sem direção única, com dados negativos sendo divulgados no continente, em meio ao avanço da pandemia de covid-19. Por outro lado, as expectativas pelo acordo de um pacote de estímulo fiscal nos Estados Unidos impulsiona os mercados. Outro fator observado é o Brexit, que tem suas negociações em momentos decisivos. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou quase estável, com alta de 0,01%, a 391,72 pontos.

continua após publicidade

Hoje, houve a divulgação de índices de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) mais fracos do que o esperado na Europa. "A mensagem principal dos PMIs da zona do euro permanece cristalina e desanimadora", comenta o analista da Pantheon Macroeconomics Claus Vistesen. "O setor de serviços está sofrendo muito com os novos lockdowns - concentrados no lazer e na hospitalidade.", acrescenta o analista. A covid-19 segue avançando no continente, e hoje a Itália registrou seu maior número de mortos em um dia na pandemia, 993.

As vendas no varejo da zona do euro subiram 1,5% em outubro, mas correspondem a um período anterior às novas restrições. A ação do Carrefour teve baixa de 0,40% em Paris, e ajudou o Cac 40 a recuar 0,15% no mercado francês, a 5.574,36 pontos. Em Madri, a Inditex, que controla da Zara, caiu 0,97%, e ajudou o Ibex 35 a fechar em baixa de 0,24%, a 8.200,70 pontos.

continua após publicidade

Em Frankurt, o Dax sofreu a maior queda dentre as principais bolsas na Europa, de 0,45%, a 13.252,86 pontos. O setor automotivo foi responsável por algumas das principais perdas, e Daimler AG (-1,25%) e Volkswagen (-0,48%) caíram.

Pelo lado positivo, o ministro das Relações Exteriores da Irlanda, Simon Coveney, afirmou nesta quinta-feira que as negociações do Brexit estão "perto do final". Em Londres, o FTSE avançou 0,42%, a 6.490,27 pontos.

As bolsas também ganharam estímulos por conta dos avanços nas negociações por um possível pacote fiscal nos EUA. Citadas com frequência como beneficiária dos estímulos, as companhias aéreas tiveram um dia de altas. Air France-KLM (+2,93%), IAG, que controla British Airways e Iberia, (+2,84%) e Lufthansa (+1,16%) foram algumas das altas. Seguindo sinais positivos, em Lisboa, o PSI 20 fechou em alta de 0,32%, a 4.639,14 pontos. O FTSE MIB também avançou em Milão, 0,16%, 22.007,40 pontos.