Economia

Bolsas da Europa fecham na maioria em baixa, de olho em avanço covid-19

Da Redação ·

As bolsas da Europa fecharam em baixa, em sua maioria. A exceção foi a Bolsa de Londres, que avançou puxada por petroleiras. A preocupação com avanço da covid-19 segue no radar dos investidores. Nesta sessão, os acionistas acompanharam falas de dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês).

continua após publicidade

Hoje, os EUA anunciaram que irão liberar estoques de petróleo para o mercado, em um esforço conjunto com o Reino Unido e outros países. Em uma sessão volátil, a commodity se fortaleceu e puxou as ações de petroleiras. "Embora fosse algo que a gestão de Biden provavelmente não estava esperando, também era totalmente previsível dado que o anúncio foi amplamente telegrafado e não é algo que os EUA possam repetir", diz o analista-chefe de mercados da CMC Markets, Michael Hewson. Em Londres, a mineradora e petrolífera BHP subiu 3,0%, e a Royal Dutch Shell avançou 1,44%. O índice londrino FTSE 100 teve alta de 0,15%, a 7.266,69 pontos.

Os demais índices acionários da Europa ficaram no vermelho, com o pan-europeu Stoxx 600 tendo caído 1,28%, a 479,25 pontos. O resultado de índices de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) divulgados hoje deram algum fôlego aos mercados, mas não foi o suficiente. Na zona do euro, a leitura preliminar do PMI de novembro mostrou avanço na indústria e em serviços, quando a expectativa era de queda.

continua após publicidade

A Pantheon avalia que, apesar do dado positivo, ainda é consistente com um enfraquecimento do crescimento econômico da região no quarto trimestre. Já para a Capital Economics, o resultado sugere que a recuperação econômica europeia não perdeu impulso, mas os gargalos de oferta e restrições pela covid-19 sinalizam a probabilidade de baixa nos índices futuros.

Na Alemanha, o PMI preliminar de outubro subiu em serviços e caiu menos do que o esperado na indústria. Enquanto no Reino Unido, foi o PMI de serviços que teve queda menor do que a prevista, enquanto o industrial subiu, contrariando expectativas. Em Frankfurt, o DAX caiu 1,11%, a 15.937,00 pontos, e em Paris, o CAC 40 recuou 0,85%, a 7.044,62 pontos.

Entre os dirigentes do BCE, Isabel Schnabel disse considerar plausível que a inflação da zona do euro fique abaixo da meta de 2% no médio prazo. Gabriel Makhlouf, por sua vez, pontuou que é preciso admitir os riscos às perspectivas inflacionárias, caso a alta inflação perdure. Já Klass Knot afirmou que o BCE só deve elevar sua taxa básica de juros depois de 2022.

continua após publicidade

No BoE, Jonathan Haskel disse que uma política monetária muito relaxada poderia trazer consequências ao Reino Unido. Após o fechamento dos mercados locais, o presidente da instituição monetária, Andrew Bailey, afirmou estar preocupado com a percepção do mercado sobre a resposta do BC britânico à inflação.

Em Milão, o FTSE MIB caiu 1,62%, a 26.939,40 pontos. O PSI 20 recuou 0,40%, a 5.497,53 pontos, em Lisboa e o IBEX 35 teve baixa de 0,07%, a 8.815,10 pontos, em Madri.