Economia

Bolsas da Europa fecham em queda, com mercado de olho em tensões na Ucrânia

Da Redação ·

As principais bolsas europeias fecharam na maioria em queda nesta sexta-feira. Investidores seguem acompanhando os desdobramentos das tensões geopolíticas na região da Ucrânia, que envolve a Rússia e países do Ocidente. Além disso, o mercado monitorou dados de vendas no varejo do Reino unido.

continua após publicidade

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,81%, a 460,81 pontos. Na comparação semanal, ele caiu 1,86%.

Investidores seguem sofrendo com a enxurrada de mensagens mistas sobre a escalada das forças militares russas na Ucrânia. As bolsas europeias chegaram a operar mistas no começo da manhã, mas pioraram com relatos de que grupos separatistas de Donbass, no Leste da Ucrânia, decidiram evacuar os residentes da região para a Rússia, principalmente mulheres e crianças.

continua após publicidade

Além disso, o secretário de Estado americano, Antony Blinken, afirmou que a Rússia continua a enviar reforços militares para a fronteira com a Ucrânia, mesmo após Moscou ter anunciado retiradas parciais de soldados da região.

Para a Capital Economics, embora parte da queda nos preços das ações desde o início do ano possa ter sido causada por temores em torno da situação entre Rússia e Ucrânia, a retórica cada vez mais agressiva do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e de outros grandes bancos centrais foi o driver dominante até os últimos dias. No entanto, desde a queda nos preços das ações e rendimentos dos títulos na sexta-feira passada, depois que autoridades dos EUA sugeriram que um ataque russo era iminente, os principais mercados de ações e títulos parecem ter se tornado mais responsivos às notícias sobre o conflito geopolítico.

Analista-chefe na CMC Markets, Michael Hewson avalia que os mercados europeus inicialmente tiveram um tom mais positivo nesta sexta, já que a negatividade de quinta começou a ser substituída por um otimismo cauteloso de que não haverá mais desenvolvimentos negativos antes da reunião da próxima semana entre Blinken e o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov. Porém, o quadro mudou em seguida. Para ele, os principais obstáculos ao índice londrino FTSE 100 foram os bancos e o setor de petróleo e gás, já que o primeiro declínio semanal do petróleo Brent este ano pesa sobre o setor.

continua após publicidade

O FTSE 100 fechou em queda de 0,32%, a 7.513,62 pontos, na Bolsa de Londres. Na semana, a queda foi de 1,92%. Ações da BP (-1,63%), Shell (-0,63%), Lloyds Banking (-0,14%) e Intermediate Capital (-2,17%) foram destaques. Hewson diz que os papéis do NatWest Group estão entre os piores desempenhos desta semana, com queda de 2,41% nesta sexta.

Investidores também monitoraram as vendas no varejo do Reino Unido, que tiveram expansão de 1,9% em janeiro ante dezembro, segundo dados publicados nesta sexta pelo Escritório Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês) do país. O resultado ficou ligeiramente abaixo da expectativa de analistas.

Em Paris, o CAC 40 caiu 0,25%, a 6.929,63 pontos, com ações da Renault em queda de 0,04%, após divulgação de balanço. Na semana, o índice teve queda de 1,17%. Em Frankfurt, o DAX perdeu 1,47%, a 15.042,51 pontos, tendo queda semanal de 2,48%.

continua após publicidade

Em Milão, o FTSE MIB perdeu 0,61%, a 26.506,79 pontos, e na semana a queda foi de 1,70% .

Já nas praças ibéricas, o PSI 20, em Lisboa, teve baixa de 0,47%, a 5.632,20 pontos, subindo 0,74% na semana. O Ibex 35, em Madri, perdeu 0,94%, a 8.590,00 pontos, caindo 2,36% na semana.