Economia

Bolsas da Europa fecham em queda com aversão a risco no exterior

Da Redação ·

As bolsas da Europa fecharam em baixa nesta terça-feira, 28, em meio a uma conjunção de fatores. De um lado, há preocupações com o crescimento econômico da China, em meio às incertezas relacionadas à incorporada Evergrande e uma crise de energia. Por outro, houve contágio de Nova York, onde os índices acionários são impactados pela disparada dos juros dos Treasuries.

continua após publicidade

Nesse cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia com perda de 2,18%, a 452,35 pontos. Em Londres, o FTSE 100 recuou 0,51%, a 7.027,40 pontos.

"Os mercados europeus recuaram acentuadamente hoje, com todos os setores em queda, exceto o de energia", afirma o analista-chefe de mercados da CMC, Michael Hewson. Os papéis das petroleiras BP e Royal Dutch Shell, por exemplo, subiram 1,60% e 2,26% em Londres, respectivamente. As companhias foram beneficiadas pelo aumento do preço do petróleo. Restrições de oferta, em meio a uma demanda elevada, levaram o Brent a superar os US$ 80 por barril, no maior nível em três anos.

continua após publicidade

Em geral, contudo, o pregão foi de aversão a risco. A Nomura e o Goldman Sachs reduziram a projeção para o crescimento da economia da China, a segunda maior do mundo, neste ano. Além da crise de liquidez da Evergrande, o país asiático enfrenta cortes de energia, em meio a uma redução nos estoques de carvão.

Na Europa, a disparada do preço do gás natural também tem afetado o setor energético, com impacto nas contas de luz, o que tende a elevar a inflação.

O índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, recuou 2,09%, a 15.248,56 pontos.

continua após publicidade

Em Paris, o CAC 40 teve perda de 2,17%, a 6.506,50 pontos.

O FTSE MIB, de Milão, por sua vez, registrou baixa de 2,14%, a 25.573,25 pontos.

Nas praças ibéricas, o índice PSI 20, de Lisboa, teve perda de 1,13%, a 5.388,36 pontos, e o Ibex 35, de Madri, caiu 2,59%, a 8.769,40 pontos.

continua após publicidade

Do outro lado do Atlântico, a inclinação da curva de juros americana pressionou para baixo as ações, principalmente as de tecnologia. Esse movimento ocorre à medida que o mercado precifica a proximidade do início do tapering do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), o processo de redução das compras de ativos, que pode ser anunciado oficialmente em novembro.

Os investidores acompanharam nesta terça-feira os depoimentos do presidente do Fed, Jerome Powell, e da secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, no Senado norte-americano. A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, por sua vez, discursou em um evento da instituição e disse que não vê sinais de que a alta da inflação esteja se tornando mais ampla.