Economia

Bolsas da Europa fecham em baixa, com incerteza sobre Ucrânia, balanços e BCE

Da Redação ·

As principais bolsas europeias fecharam em queda nesta quinta-feira, 17, diante dos renovados temores e incerteza sobre o potencial conflito entre Rússia e Ocidente na região da Ucrânia. Falas de dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) também estiveram no radar, assim como resultados trimestrais de companhias locais.

continua após publicidade

O Stoxx600, índice pan-europeu, caiu 0,69%, a 464,55 pontos.

Aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) acusaram a Rússia nesta quinta de "iludir o mundo e disseminar desinformação" sobre a retirada de suas tropas na fronteira ucraniana. Com isso, os Estados Unidos afirmaram que um ataque russo pode acontecer "a qualquer momento", usando de algum "falso pretexto". O presidente norte-americano, Joe Biden, disse a repórteres que o risco de uma invasão é elevado e esta pode se dar nos próximos dias.

continua após publicidade

A Rússia, por outro lado, afirmou irá responder nesta quinta aos EUA sobre garantias de segurança, segundo a Reuters. Além disso, o vice-embaixador americano foi expulso de Moscou, reportou a RIA Novosti. Em encontro das Nações Unidas nesta quinta, a Rússia deve acusar a Ucrânia de cometer "genocídio" contra a população que fala russo no leste do país, conforme documentos analisados pelo Wall Street Journal.

Com a abertura negativa de Wall Street, os índices europeus ampliaram queda. O FTSE recuou 0,87%, a 7.537,37 pontos, em Londres, o DAX caiu 0,67%,a 15.267,63pontos, em Frankfurt, e o CAC 40 cedeu 0,26%, a 6.946,82 pontos.

Analista da CMC Markets, Michael Hewson observa que não há surpresa da pressão sobre as bolsas do continente neste cenário e afirmou que o maior risco para os mercados é que o presidente russo, Vladimir Putin, deixe suas forças próximas às fronteiras e faça um "jogo de gato e rato" pelas próximas semanas ou meses.

continua após publicidade

Quanto à política monetária, o economista-chefe do BCE, Philip Lane, disse nesta quinta-feira considerar que uma normalização monetária será possível quanto as expectativas de inflação ficarem dentro da meta de 2% do BCE. Em evento da MNI Market News, Lane considerou que um aperto monetário significativo ainda não é necessário agora.

O dirigente Pablo Hernandez de Cos, por sua vez, defende que qualquer aperto prematuro prejudicaria a economia e espera que este ocorra de maneira gradual. Em boletim publicado nesta quinta, o BCE avaliou que a pandemia ainda pesa sobre a economia da zona do euro neste primeiro trimestre, mas deve se dissipar ao longo do ano.

Em Milão, o FTSE MIB caiu 1,11%, a 26.669,27 pontos.

continua após publicidade

Já em Lisboa, o PSI 20 cedeu 0,08%, a 5658,54 pontos, e, em Madri, o IBEX 35 fechou com baixa de 0,76%, a 8.671,10 pontos, conforme dados preliminares.

Durante a temporada de balanços no Velho Continente, os papéis da Air France-KLM tombaram 7,63%, apesar do avanço reportado nos resultados do quarto trimestre de 2021. Já os da Airbus caíram 1,32%, após a empresa reportar queda anual na receita do mesmo período. O Commerzbank, por sua vez, superou a previsão feita por analistas e, ao voltar a lucrar, viu suas ações subirem 3,21%.