Economia

Bolsas da Ásia fecham em baixa, apesar de recuperação de NY

Da Redação ·

As bolsas asiáticas fecharam em baixa nesta quarta-feira, 6, ignorando a recuperação de Wall Street ontem, à medida que os futuros dos mercados acionários de Nova York sugerem a volta do mau humor hoje em meio ao avanço persistente dos juros dos Treasuries. Já na Oceania, o Banco Central da Nova Zelândia elevou seu juro básico, começando a reverter estímulos que adotou em meio à pandemia de covid-19.

continua após publicidade

O índice japonês Nikkei caiu 1,05% em Tóquio hoje, a 27.528,87 pontos, enquanto o Hang Seng recuou 0,57% em Hong Kong, a 23.966,49 pontos, o sul-coreano Kospi cedeu 1,82% em Seul, a 2.908,31 pontos, seu menor nível em nove meses, e o Taiex registrou perda de 0,41% em Taiwan, a 16.393,16 pontos. Na China, as bolsas continuam sem operar em razão do feriado da Semana Dourada.

Na terça-feira, as bolsas de Nova York tiveram ganhos robustos, recuperando-se de perdas no começo da semana. Os futuros de Wall Street, porém, sinalizam uma abertura negativa nesta quarta, em meio ao terceiro dia consecutivo de alta dos juros dos Treasuries. Por volta das 6h25 (de Brasília), o futuro do Dow Jones caía mais de 1% e o juro da T-note de 10 anos avançava a 1,545%. A expectativa de aperto monetário iminente nos EUA e preocupações com a alta da inflação têm ajudado a impulsionar os rendimentos dos papéis que formam a dívida federal americana.

continua após publicidade

A crise de liquidez da Evergrande, a gigante do setor imobiliário chinês, continua no radar, mas os negócios com suas ações em Hong Kong estão suspensos desde o começo da semana, diante da possibilidade de que uma subsidiária da empresa seja adquirida.

A bolsa australiana, a principal da Oceania, também ficou no vermelho hoje. O S&P/ASX 200 caiu 0,58% em Sydney, a 7.206,50 pontos, pressionado pelo setor financeiro. No mesmo continente, o BC da Nova Zelândia elevou sua taxa básica de juros, da mínima histórica de 0,25% para 0,50%, juntando-se à Coreia do Sul e à Noruega no aperto da política monetária. (Com informações da Dow Jones Newswires).