Economia

BCE/Ata: amplo apoio monetário é essencial para garantir volta da inflação à meta

Da Redação ·

O Banco Central Europeu (BCE) considera que um "amplo apoio monetário" segue necessário para apoiar a recuperação da economia da zona do euro e assegurar a volta da inflação à meta de quase 2%, conforme aponta ata referente à mais recente reunião de política da instituição, divulgada nesta sexta-feira (14).

continua após publicidade

A avaliação, consensual entre os dirigentes, é justificada por incertezas sobre a pandemia e o ritmo de vacinação contra o coronavírus, que ainda pesam sobre o cenário de curto prazo, de acordo com o documento.

"As informações recebidas, incluindo indicadores de alta frequência, indicavam que a atividade econômica provavelmente teria se contraído novamente no primeiro trimestre, mas apontavam para uma retomada do crescimento no segundo trimestre", destaca o relatório.

continua após publicidade

Para os próximos meses, o BCE espera uma recuperação sustentada pelo avanço da imunização e as consequentes retiradas de restrições à mobilidade. "Os riscos para as perspectivas de crescimento da área do euro continuaram a ser descendentes no curto prazo, mas permaneceram mais equilibrados no médio prazo", pontua o texto.

Na ata do BCE, os dirigentes concordaram que as condições financeiras da zona do euro permaneciam estáveis. "As taxas de juros livres de risco e os rendimentos dos títulos soberanos, que aumentaram no início do ano, ficaram de lado desde a reunião de março e se desvincularam da evolução dos mercados dos Estados Unidos desde o final de fevereiro", pontua o documento.

Segundo o relatório, os integrantes do Conselho decidiram endossar a proposta do economista-chefe, Philip Lane, de reiterar a política acomodatícia. "Os membros recordaram que a reunião de política monetária de junho proporcionaria a próxima oportunidade para realizar uma avaliação exaustiva das condições de financiamento e das perspectivas de inflação", destaca o texto.

Ainda de acordo com a ata, os dirigentes destacaram que o Programa de Compras de Emergência de Pandemia (PEPP, na sigla em inglês) continuarão a operar de maneira flexível e depende das condições financeiras e do quadro inflacionário.