Economia

BCE: Guindos espera que inflação na zona do euro atinja pico em 2 ou 3 meses

Da Redação ·

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Luis de Guindos, previu nesta quinta-feira (31) que a inflação da zona do euro deverá atingir o pico em dois ou três meses. Guindos, que falou durante evento da Universidade de Amsterdã, ressaltou que uma parte do atual choque dos preços de energia é causado por fatores temporários, referindo-se à guerra entre Rússia e Ucrânia.

continua após publicidade

Guindos também comentou que a alta da inflação deverá levar a zona do euro a apresentar fraco crescimento no primeiro semestre, mas disse não acreditar que a economia se contraia em 2022.

O economista-chefe do BCE, Philip Lane, disse nesta quinta-feira que a instituição deverá ajustar as configurações de sua política monetária se as expectativas de inflação não estiveram ancoradas.

continua após publicidade

Em discurso na Escola de Economia de Paris, Lane afirmou ser importante que o BCE continue dependendo dos dados econômicos e que as "opções tenham dois lados".

Lane disse também que o BCE precisa estar totalmente preparado para rever sua política se o choque dos preços de energia e a guerra entre Rússia e Ucrânia levarem a uma deterioração significativa da perspectiva macroeconômica e, desta forma, enfraqueça também a perspectiva de inflação no médio prazo.

O economista-chefe afirmou ainda que é plausível que a inflação de médio prazo não retorne a níveis pré-pandemia de covid-19, mas se estabilize em torno da meta de 2% do BCE.

Lane também descreveu como "bem-sucedida" a resposta da política monetária do BCE à pandemia, que incluiu um plano emergencial de compras de ativos.