Economia

Bancos na Europa sofrem com onda de vendas de ações ante invasão na Ucrânia

Da Redação ·

A maioria dos bancos na Europa tem pouca exposição direta à Rússia. Isso, porém, não impediu investidores de vender suas ações desde o início da guerra na Ucrânia. Analistas dizem que a falta de visibilidade em relação ao que virá a seguir no conflito, o salto nos preços do petróleo que pode frear a economia europeia e exposições indiretas ainda não sabidas se combinam para tornar os investidores bastante cautelosos em relação aos bancos do continente.

continua após publicidade

"É um pouco como no início da crise da covid-19. Ninguém tem uma pista do que pode acontecer a seguir", disse Jérôme Legras, diretor de pesquisa da Axiom Alternative Investments. Desde o início do conflito, o subíndice bancário do Euro Stoxx recuou quase um quarto. Papéis do Société Générale, da França, do italiano UniCredit e do austríaco Raiffeisen Bank International, todos com operações locais na Rússia, recuaram até 35%, 38% e 47%, respectivamente. Eles reagiam um pouco nesta terça-feira, mas bem abaixo das máximas após o auge da pandemia.

Negócios na Rússia representam uma parcela pequena dos lucros do Société Générale e do UniCredit. Mas o Raiffeisen está em posição mais delicada, já que cerca de 40% de seus lucros vem da Rússia e da Ucrânia. Na semana passada, o banco suspendeu dividendos para preservar caixa, assustando investidores. Analistas, porém, dizem que o banco, relativamente pequeno, está protegido contra problemas mais graves pois pertence a uma rede de bancos sob o mesmo nome na Áustria, que o apoiaria financeiramente se necessário.

continua após publicidade

Outros com laços menos diretos com a Rússia não foram poupados. O UBS informou na segunda-feira que sua exposição direta de risco ao país, incluindo empréstimos e derivativos, era de US$ 634 milhões em 31 de dezembro, uma pequena parcela de seu total de US$ 21 bilhões em mercados emergentes. Ainda assim, a ação desse banco recuou quase um quinto em relação a seu valor desde 23 de fevereiro.

Nesse contexto, os bancos correm para cortar vínculos com bancos alvos de sanções, reavaliar seus ativos na Rússia e também qualquer exposição ao país.