MAIS LIDAS
VER TODOS

Economia

Aversão a risco no exterior e cautela fiscal no Brasil empurram Ibovespa para baixo

O quadro incerto no Brasil e no exterior provoca queda do Ibovespa, que já cai para o nível dos 121 mil pontos depois de abrir aos 122.331,39 pontos (-0,01%). Ontem, o principal indicador da B3 fechou em baixa de 0,25%, aos 122.331,39 pontos, depois de ci

Maria Regina Silva (via Agência Estado)

·
Escrito por Maria Regina Silva (via Agência Estado)
Publicado em 26.06.2024, 12:00:00 Editado em 26.06.2024, 12:08:40
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

O quadro incerto no Brasil e no exterior provoca queda do Ibovespa, que já cai para o nível dos 121 mil pontos depois de abrir aos 122.331,39 pontos (-0,01%). Ontem, o principal indicador da B3 fechou em baixa de 0,25%, aos 122.331,39 pontos, depois de cinco altas consecutivas. Há alguns vetores de alta, como a valorização de 3,38% do minério de ferro em Dalian, na China, e de cerca de 0,40% do petróleo.

continua após publicidade

Entretanto, prevalece a desvalorização do Índice Bovespa que se dá mesmo após o IPCA-15 de junho vir com um resultado (0,39%) menor do que a mediana das projeções (0,43%), embora tenha acelerado em 12 meses a 4,06%.

"Tinha tudo para ter um pregão menos desfavorável, não digo nem bom pois o exterior está ruim. A curva futura de juros dos Estados Unidos está abrindo e o dólar ganhando força. Os sinais de fora não são os melhores do mundo", afirma Larissa Quaresma, analista da Empiricus Research.

continua após publicidade

Até o momento, o dólar à vista atingiu máxima a R$ 5,5215, com alta de mais de 1,00%, ajudando a impulsionas ações de empresas exportadoras como Suzano ON, que subia 2,43%. Já as ações de grandes bancos cediam em meio à cautela fiscal.

O IPCA-15 vem em meio ao aval do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao decreto que altera o regime de meta de inflação anual para o modelo de meta contínua a partir de 2025, com alvo em 3%. "A questão é se a inflação irá mesmo convergir para este nível 3%", questiona Luis Roberto Monteiro, da mesa institucional da Renascença, ressaltando o crescente avanço da desancoragem das expectativas inflacionárias e das preocupações fiscais.

Além das incertezas no Brasil, os investidores mantêm certa cautela quanto às expectativas de queda dos juros nos Estados Unidos. "Então, o mercado interno fica exposto ao exterior. E com o fiscal complicado no Brasil fica difícil", acrescenta Monteiro.

continua após publicidade

No encontro ontem no Palácio do presidente Lula com ministros para tratar da meta de inflação contínua, também esteve presidente o diretor de Política Monetária do Banco Central, Gabriel Galípolo. A presença de Galípolo não estava na agenda oficial do governo, o que gera especulações de que ele será o próximo presidente do BC com o fim do mandato de Roberto Campos Neto.

Nesta manhã, Lula confirmou que Galípolo foi à reunião para falar sobre a meta de inflação, inflacionária, mas disse que ainda não está pensando na presidência do Banco Central. O encontro extraoficial pode dar uma sensação de que o futuro presidente do BC pode atuar mais alinhado com os desejos políticos do Palácio do Planalto.

Também em entrevista ao UOL nesta manhã, o chefe do Executivo voltou a criticar o atual nível de 10,50% ao ano da taxa Selic. "BC tem necessidade de manter taxa de juros a 10,5% quando inflação está 4%?", perguntou Lula.

continua após publicidade

A analista da Empiricus Research ainda acrescenta que apesar de estimar que a próxima gestão do BC manterá uma linha técnica, falas como as de Lula provocam ruídos e geram volatilidade. "O que pesa mesmo são essas críticas e afirmações de que não se pautará no mercado para promover corte de gastos", diz Larissa.

O presidente do Brasil afirmou que o governo realiza a revisão dos gastos públicos "sem levar em conta o nervosismo do mercado" e disse que há necessidade de manter investimentos em Saúde e Educação. Lula afirmou ainda que não quer que empresários tenham prejuízos, mas criticou a "Faria Lima" e defendeu "repartir o pão de cada dia em igualdade de condições".

Hoje, o Conselho Monetário Nacional (CMN) vai se reunir para deliberar sobre a manutenção da meta de inflação em 3% (15h) e ainda será divulgado o resultado do Governo Central de maio, que pode vir com déficit após superávit e reforçar os temores fiscais. No exterior, a agenda está esvaziada.

Às 11h15, o Ibovespa cedia 0,56%, aos 121.647,94 pontos, ante recuo de 0,76%, aos 121.402,00 pontos, na mínima. Vale subia 1,20% e Petrobrás avançava entre 0,05% (ON) e 0,01% (PN).

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Aversão a risco no exterior e cautela fiscal no Brasil empurram Ibovespa para baixo"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
    Compartilhe! x

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!