Economia

Aversão a risco externa atinge Bolsa em meio à continuidade de crise na Petrobras

Maria Regina Silva (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

A aversão a risco no mercado internacional por temores recessivos mundiais contamina nesta quarta-feira, 22, o Ibovespa, que segue sem forças para recuperar a importante marca psicológica dos 100 mil pontos. Na véspera, a Bolsa cedeu 0,17%, para 99.684,50 pontos, reagindo ao noticiário sobre a crise na Petrobras, apesar da valorização em Nova York.

continua após publicidade

Às 10h57, o Ibovespa caía 0,82%, aos 98.865,63 pontos. O índice quase perdeu há pouco a marca dos 98 mil pontos, após começar o pregão em queda de 0,01%, aos 99.678 pontos. Na mínima diária marcou 98.050,02 pontos (-1,64%).

Renovadas preocupações com a desaceleração da economia mundial traduzem-se em perdas em torno de 1% das bolsas americanas e de até 2% nas europeias, que ainda encaram o avanço inflacionário no Reino Unido em maio. O temor no mercado é que as autoridades monetárias mundiais tenham de ser mais austeras na condução de suas políticas monetárias a fim de conter a inflação. Ao mesmo tempo, teme-se que isso eleve ainda mais o risco de uma recessão especialmente nos Estados Unidos.

continua após publicidade

"O mercado todo é está em 'risk-off' por conta de sinais de recessão econômica na maior parte do mundo, principalmente nos Estados Unidos", diz Fabrício Gonçalvez, CEO da Box Asset Management.

O petróleo cai em torno de 6% no exterior e o minério de ferro no mercado futuro chinês caiu na faixa de 6%, o que pesa principalmente nas ações ligadas aos respectivos segmentos. Já o dólar se favorece deste cenário, o que alivia alguns papéis de empresas exportadoras na B3.

"Após um respiro em meio a toda essa tempestade, depois de um mini rali em Nova York ontem, a indicação é de perdas, com aversão ao risco penetrando em todos os mercados", avalia Rafael Germano, especialista em renda variável da Blue3.

continua após publicidade

"Autoridades monetárias indicam que serão mais austeras em suas politicas. A inflação está cada dia mais permanentemente elevada. A questão é quando os Estados Unidos entrarão em recessão, e não se entrarão", diz Germano.

Ainda sem uma agenda forte, o investidor se concentra nas palavras do presidente do Fed, Jerome Powell, que testemunha perante Comitê Bancário do Senado norte-americano, a fim de buscar pistas sobre a política monetária dos EUA. Por ora, dentre as palavras, Powell disse que o Fed está fortemente comprometido a reduzir a inflação e que atuará rápido para isso.

"A grande questão é quanto ao que vai indicar Powell. Dependendo do tom, vai ditar o rumo dos mercados", afirma Gonçalvez, CEO da Box Asset, acrescentando que, por ora, a sinalização do comprometimento de Powell em conter a inflação, de certa forma, ajuda a reduzir as perdas das bolsas. Depois de sua fala, haverá a parte de perguntas e respostas para Powell no Senado dos EUA.

continua após publicidade

Além do mau humor externo, as preocupações em relação à Petrobras continuam, à medida que o governo segue avante com propostas que, em seu entendimento, podem aliviar os preços dos combustíveis.

A tentativa de mudar a Lei das Estatais segue de pé pelo menos por parte do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e de aliados ao presidente Jair Bolsonaro, embora o ministro da Economia, Paulo Guedes, tente travar as mudanças.

Para isso, Guedes ofereceu a criação de voucher a caminhoneiros e o aumento do vale-gás à população de baixa renda. O auxílio ao setor de transporte seria de R$ 400 e o valor para os gastos estaria limitado, definido em uma PEC e fora do teto de gastos, apurou o Estadão/Broadcast. O custo dessas medidas em estudo seria de R$ 6 bilhões. Vale ponderar que são ações que, em tese, são vedadas em ano eleitoral.

Hoje dois textos devem chegar à Camara sobre a Lei das Estatais, enquanto o governo segue empenhado na instalação da CPI para averiguar a Petrobras. Ao mesmo tempo, a estatal confirmou que o Comitê de Elegibilidade recebeu os relatórios necessários para analisar a indicação de Caio Mário Paes de Andrade à presidência da estatal. A reunião do grupo para discutir o tema está prevista para sexta-feira.