Economia

Após liquidar estatal de chips, governo busca empresa privada para assumir função

Circe Bonatelli (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Menos de um ano após determinar a liquidação do Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec), estatal que era a única produtora de chips e semicondutores na América Latina, o governo de Jair Bolsonaro vai tentar atrair empresas que possam assumir essa função no País.

continua após publicidade

Trata-se de uma lacuna de mercado sensível diante crise global que tem provocado a escassez desses componentes há vários meses seguidos. A chegada da internet móvel de quinta geração (5G) também vai exigir mais antenas e equipamentos que demandam esses insumos.

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, admitiu nesta quinta que o País não pode ficar à mercê das importações e ressaltou a importância de ter um parque industrial forte no ramo, combinado com a formação contínua de profissionais para trabalhar com tecnologia.

continua após publicidade

"Precisamos investir para ter uma fábrica de semicondutores", declarou nesta quinta, em reunião com presidentes de empresas de telecomunicações durante o evento Smart City Business, na capital paulista. "Estamos atrás de buscar uma empresa que possa abrir aqui uma fábrica de semicondutores. O Brasil pode exportar para Europa, África e toda a América Latina", emendou.

A reunião teve a presença o presidentes locais da Nokia, Aílton Santos; Ericsson, Rodrigo Dienstamnn; Qualcomm, Luiz Tonisi; American Tower, Emerson Hugues; e High Trend Brasil (HBT), Carlos Sanchez.

Com sede em Porto Alegre, a Ceitec foi criada por lei em 2008, ainda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A ideia era ter uma grande fabricante nacional de chips e semicondutores. O problema é que empresa sempre foi dependente do Tesouro Nacional - ou seja, precisava de recursos dos cofres públicas para bancar despesas correntes e salários.

continua após publicidade

Sem dar lucro e considerada ineficiente, a estatal se tornou alvo do atual governo, que anunciou uma extensão lista de privatizações durante a companha - o que não foi entregue. Em 2021, o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) recomendou a extinção da Ceitec em junho, e o decreto presidencial que oficializou a decisão foi publicado em dezembro. Com a sua extinção, devem ser demitidos 177 servidores.

Nesta quinta, o ministro disse que o Brasil tem condições de se tornar um hub de inovação com a chegada do 5G neste ano. Segundo ele, empresas internacionais têm visto o País como um local propício para testes e investimentos em conectividade.

Faria acrescentou que é preciso também investir na formação de mão-de-obra qualificada para lidar com a nova geração de aparatos tecnológicos e aplicações. Mais do que isso: pediu uma ajuda do setor privado, especialmente das empresas da área.