Economia

Apetite a risco e Caged estimulam alta do Ibovespa antes de agenda ganhar força

Maria Regina Silva (via Agência Estado) · GoogleNews

Siga o TNOnline
no Google News

Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Busca por ativos de risco no exterior na esteira da China se reflete no Ibovespa, que interrompeu na sexta-feira uma série de três elevações consecutivas, em meio a expectativas de novas altas de juros nos Estados Unidos. Retomada das atividades no gigante asiático após interrupções pelo aumento de casos de covid-19 reacende esperança de aumento da demanda, estimulando alta das commodities. O Caged acima do esperado em abril também respalda o bom humor.

continua após publicidade

"O Ibovespa acompanha o cenário externo e abriu com alta em um dia de agenda vazia, o que favorece queda do dólar", afirma Sidney Lima, analista da Top Gain.

O minério subiu pelo sexto pregão seguido em Dalian (China) e o petróleo tem instabilidade. Ainda assim, o índice Bovespa pode buscar os 112 mil pontos. Na máxima até o momento, marcou 111.805,15 pontos, com valorização de 0,63%. Além disso, ações de tecnologia podem pegar carona na notícia de que a China se prepara para encerrar uma investigação sobre a Didi Global, do ramo.

continua após publicidade

"Recuperação técnica depois das quedas dos últimos dias. Apesar da semana de agenda pesada, a indicação é de um dia leve, que favorece a busca por risco", avalia o economista-chefe do BV, Roberto Padovani, em comentário matinal a clientes e à imprensa.

O movimento de alta, explica Lima, da Top Gain, tem sido impulsionado por sinalizações de que os EUA pode beneficiar a importação de produtos chineses, para conter a inflação por lá.

No entanto, o bom humor externo pode ser contido por divulgações, ruídos e eventos internos, dado que lá fora, hoje, neste requisito, não há nada do que esperar, a não ser durante a semana: sai índice de inflação ao consumidor dos EUA e tem decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE).

continua após publicidade

Hoje, o presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar a Petrobras, afirmando que apesar de sua privatização ser muito difícil, o Ministério de Minas e Energia quer mudar toda a empresa.

O investidor ainda acompanha as palavras do presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, em meio ao impasse do reajuste dos servidores, a uma semana do Copom. No entanto, logo no começou de sua participação em evento disse: 'já que vamos falar de cripto, estou feliz que não vou falar de inflação hoje."

Após sem divulgar a pesquisa Focus, o BC trouxe apenas informações parciais, com somente as medianas para o IPCA, PIB, câmbio e Selic no fim de 2022 e 2023.

continua após publicidade

A 'novela' sobre os preços dos combustíveis também segue no radar do mercado. O relator da proposta que impõe um teto para a alíquota de ICMS sobre energia e combustíveis, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) trabalha para concluir o relatório sobre o projeto até a próxima amanhã. Já Bolsonaro disse esperar resolver a alta dos combustíveis "nos próximos dias".

Além disso, fica no foco das atenções a informação de que a assembleia de debenturistas de Furnas, prevista para hoje, foi suspensa por uma decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. A decisão pode atrasar a oferta de ações da Eletrobras. A empresa, por sua vez, entrou com recurso no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) para suspender a liminar que impede a realização de uma assembleia de debenturistas de Furnas nesta segunda-feira.

Quanto ao Caged, houve a criação de 196.966 vagas formais, ante mediana de 170.328 postos das estimativas (81.909 a 276 mil).

Às 10h36, o Ibovespa subia 0,65%, na máxima, aos 111.830,82 pontos. Na sexta, fechou em queda de 1,15%, aos 111.102,32 pontos.