'Apagão das canetas' dificulta articulação sobre reformas, diz líder do governo - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Economia

'Apagão das canetas' dificulta articulação sobre reformas, diz líder do governo

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), apontou o que chamou de "apagão das canetas" como motivo para o atraso das reformas no Congresso Nacional. Durante evento remoto nesta terça-feira, 17, Barros culpou órgãos de controle pela paralisia do governo federal na busca de atender parlamentares e aumentar a base de apoio no Legislativo.

O governo do presidente Jair Bolsonaro negocia uma pauta de projetos econômicos para votação no Congresso após o primeiro turno das eleições municipais. Reformas estruturantes, como a tributária e a administrativa, porém, estão paradas e devem ser adiadas.

O líder do governo declarou que essas medidas, ao lado do pacto federativo e da Proposta de Emenda à Constituição Emergencial (PEC) Emergencial, precisam ser aprovadas simultaneamente. De acordo com ele, porém, o governo precisa aumentar a base de apoio no Congresso.

O parlamentar afirmou que órgãos de controle, como o Ministério Público e o próprio Judiciário, causam uma paralisia na administração federal por meio de suas atuações ao barrar obras e projetos contestados tecnicamente. Dessa forma, de acordo com o líder, o governo fica impedido de destinar recursos para bases eleitorais de parlamentares e não consegue base suficiente para aprovar projetos.

"Esse apagão das canetas tem prejudicado a articulação política", disse Ricardo Barros, durante Fórum Jurídico de Lisboa, promovido pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP).

O líder do governo citou "a forma predatória" como agem Ministério Público, Judiciário, Tribunal de Contas e Controladoria-Geral da União ao processar agentes públicos quando discordam de suas decisões.

"Há um ativismo político desses órgãos, quando percebem uma decisão que vai contra seu ideal, eles a contestam mesmo sem fundamento. Causam um enorme dano, um enorme prejuízo, atrasam os benefícios que a sociedade precisa receber e nunca são punidos por isso. São os inimputáveis que nós infelizmente temos assistido aqui no nosso País cometer erros crassos e nunca responderam pelos erros que cometem", declarou o deputado, que foi relator da lei de abuso de autoridade na Câmara.

Ricardo Barros assumiu a liderança do governo na Câmara após a aproximação do presidente Jair Bolsonaro com os partidos do Centrão. Os órgãos de controle, nas palavras do parlamentar, são os principais "óbices" à articulação do Palácio do Planalto. "O deputado quer uma obra, quer que entregue um benefício, mostrar serviço para seus eleitores", justificou. "Se o governo não entrega o benefício para o parlamentar destinando recursos no orçamento para que ele aconteça, o parlamentar não fica satisfeito. Precisamos estabelecer a relação republicana que precisa existir entre parlamentar e governo."

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "'Apagão das canetas' dificulta articulação sobre reformas, diz líder do governo"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.