Mais lidas

    Economia

    Economia

    Ânimo externo leva Ibovespa a superar 118 mil pontos apesar de cautela com vacina

    Escrito por Da Redação
    Publicado em 28.12.2020, 10:30:00 Editado em 29.12.2020, 09:47:09
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    O bom humor externo deve impulsionar o Ibovespa nesta reta final de 2020, cuja semana contará apenas com três pregões na B3. A expectativa é que o ânimo internacional após a aprovação do novo pacote fiscal nos EUA e depois da União Europeia e Reino Unido finalizarem um acordo pós-Brexit também contagiem o Ibovespa, diante de incertezas a menos no radar. O índice brasileiro retomou hoje os 118 mil pontos e, quem sabe pode até voltar a testar os 119 mil pontos ainda nesta segunda-feira. No último dia em que funcionou, na quarta-feira, 23, subiu 1,00%, encerrando aos 117.806,85 pontos.

    No entanto, a liquidez pode ser minguada e a alta, não tão expressiva, pois muitos investidores estão colocando o pé no freio, em meio às festas de fim de ano e já de olho em 2021. Além disso, pode haver certa cautela por causa das questões internas, como a demora do Brasil em começar a imunização da população contra o novo coronavírus.

    Para o economista-chefe do ModalMais, Álvaro Bandeira, o Ibovespa deve pegar carona no otimismo externo e superar hoje os 118 mil pontos, indo em busca dos 119 mil pontos. No fim de semana prolongado, o noticiário foi positivo, diz. "Teve acordo pós-Brexit e um final feliz esperado para os EUA da novela sobre o pacote fiscal", afirma, em nota.

    Às 10h25, o Ibovespa avançava 0,65%, aos 118.573,98 pontos.

    O bom humor externo deve influenciar os negócios locais, bem como a assinatura de decretos regulamentando o novo marco do saneamento básico no País e a aprovação da nova Lei de Falências, projeto aprovado no Congresso para agilizar os processos de recuperação judicial no Brasil, além do Fundeb. Os avanços podem indicar continuidade da agenda de reformas pelo governo.

    Para completar a seara de noticias com potencial de influência favorável ao Ibovespa estão a de que a Petrobras assinou na semana passada o contrato de venda de sua participação em 12 campos terrestres de petróleo, chamados de Polo Remanso, na Bahia, sem falar da valorização do petróleo no exterior hoje, e a de que a Vale iniciou a retomada gradual de suas operações em Mariana (MG) e Ubu, em Anchieta (ES). Petrobrás subia acima de 1%, enquanto Vale tinha elevação de 0,80%, apesar do recuo de 1,32% na cotação do minério de ferro negociado no porto chinês de Qingdao, a US$ 163,85 a tonelada, depois da alta de 2,48% no dia 24.

    Os papéis da PetroRio lideravam a lista de maiores ganhos do Ibovespa, com 5,45%. A empresa contratou os bancos BTG Pactual, Citigroup, Credit Suisse, Itaú BBA, Safra e Santander para coordenar uma potencial oferta subsequente de ações (follow on) da companhia. Segundo a companhia, ainda não há uma aprovação efetiva do follow on ou de seus termos e condições.

    Em contrapartida, novas declarações polêmicas do presidente Jair Bolsonaro sobre o início da imunização contra a covid-19 no Brasil pode inibir eventual alta mais expressiva do Ibovespa.

    Além disso, o avanço da pandemia de covid-19 no mundo, espera por vacinas e temores em relação a uma nova variante da doença no globo geram cuidado. Hoje, a France Presse informou que os envios de vacinas da Pfizer contra a covid-19 para oito países europeus, entre eles a Espanha, sofrerão um "pequeno atraso" por um problema logístico na Bélgica.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Ânimo externo leva Ibovespa a superar 118 mil pontos apesar de cautela com vacina"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.