Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Economia

BR Distribuidora quer manter política de altos dividendos a acionistas 

.

NICOLA PAMPLONA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Sem perspectiva de grandes investimentos, a BR Distribuidora quer manter pelos próximos anos política de distribuição de elevados dividendos. Na terça (13), a companhia anunciou que repassará a seus acionistas 95% do lucro de 2017, que somou R$ 1,15 bilhão.

Em teleconferência com analistas para detalhar o primeiro balanço após a oferta de ações em bolsa, a direção da companhia controlada pela Petrobras disse que, com dívida controlada e boa geração de caixa, a tendência é que os dividendos permaneçam em patamares elevados nos próximos anos.

Este ano, a companhia distribuirá R$ 1,09 bilhão. A direção da BR disse que deverá manter percentual do lucro que é distribuído aos acionistas alto, a menos que surjam oportunidades de investimento para aplicar a geração de caixa da companhia.

A Petrobras tem 71,25% do capital. Assim, ficará com R$ 776 milhões. Entre os acionistas privados, o maior é a gestora de recursos Lazard, baseada em Nova York, com 5,35% das ações.

O restante das ações está nas mãos de 4.559 investidores pessoa física, 269 investidores pessoa jurídica e 237 investidores institucionais.

A BR fechou 2017 com dívida de R$ 1,3 bilhão, beneficiada por aporte de R$ 6,3 bilhões pela Petrobras para limpar o balanço da subsidiária antes da oferta de ações. A relação entre dívida líquida e geração de caixa era de 1,3 vezes ao fim do ano.

Ela é a maior distribuidora de combustíveis do país em volume de vendas, mas ainda se vê distante dos principais concorrentes em relação a margens de lucro. Sua margem de lucro por metro cúbico vendido, por exemplo, foi de R$ 80 no quarto trimestre de 2017.

A Raízen, que opera com a bandeira Shell, por exemplo, registrou R$ 123 por metro cúbico no mesmo período. O presidente da BR, Ivan de Sá, reconheceu a diferença e disse que a companhia buscar reduzi-la, mas é um processo que levará mais tempo.

IMPORTAÇÕES

Mesmo sendo subsidiária da Petrobras, a BR importou cerca de 15% de seu suprimento de combustíveis em 2017. A companhia, no entanto, prevê redução das importações ao longo de 2018, devido à prática de menores preços pela estatal.

Desde julho de 2017, a Petrobras vem praticando uma política de reajustes diários para enfrentar importações. No quarto trimestre, apertou suas margens e já vem incomodando empresas privadas, que decidiram ir ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) pedir investigação sobre práticas anticoncorrenciais.

O presidente da BR disse que a estatal está finalizando um novo modelo de contrato de venda de combustíveis para as grandes distribuidoras, que deve ser mais competitivo em relação a compras no exterior.

"Devem cair as importações por oportunidade, mantendo apenas aquelas referentes ao uso da capacidade de cada grande distribuidora", afirmou.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber