Facebook Img Logo
  1. Edhucca Banner
Mais lidas
Economia

Ameaça de Trump derruba siderúrgicas

.

ANAÏS FERNANDES E DANIELLE BRANT

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As principais siderúrgicas brasileiras perderam juntas R$ 1,97 bilhão em valor de mercado desde que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou, na quinta-feira (1º), o plano de impor tarifas ao aço e alumínio importados pelo país.

Trump fez a declaração por volta das 14 horas (horário de Brasília) sobre uma taxa de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio.

O Brasil está entre os países que mais podem ser afetados pela medida porque é o segundo maior exportador de aço aos EUA, atrás apenas do Canadá. No ano passado, a receita gerada com as vendas aos americanos somou US$ 2,63 bilhões (cerca de R$ 8,5 bilhões).

Na Bolsa de São Paulo, a empresa mais afetada pelas declarações de Trump foi a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), cuja perda de valor de mercado desde quinta soma R$ 1,3 bilhão. Somente na sexta-feira (2), suas ações recuaram 5%.

A segunda maior perda de valor, de R$ 946 milhões, foi da Usiminas, que viu as ações caírem 3,9% no último pregão da semana.

A Gerdau, que tem operações nos EUA, foi menos impactada. Embora suas ações tenham caído 1,46% na sexta, a empresa teve, na verdade, ganho de valor de mercado de R$ 406 milhões desde quinta-feira.

A Metalúrgica Gerdau, holding controladora da Gerdau, perdeu R$ 132 milhões desde quinta-feira, e as ações registraram queda de 2,38%.

Barbara Mattos, vice-presidente sênior da agência de classificação de risco Moody's, disse em comunicado que o impacto da tarifa é administrável e deve variar entre os produtores brasileiros.

"Cerca de 30% das exportações de aço do Brasil têm como destino os EUA, mas a maior parte deste total é composta por produtos semiacabados. As exportações de aço plano e de aço longo não representam mais do que 22% dos volumes totais", afirmou.

Ela observou, porém, que um maior protecionismo por parte dos Estados Unidos pode fazer com que exportadores de outros países busquem mercados alternativos, intensificando a concorrência no mercado brasileiro de aço e aumentando a pressão sobre preços e margens.

Em sua conta no Twitter, Trump disse na sexta que guerras comerciais são boas e fáceis de ganhar.

As declarações do presidente americano deflagraram uma onda de descontentamento de países e entidades pelo mundo.

O governo brasileiro já recorreu ao Departamento de Comércio dos EUA na tentativa de evitar que o aço e o alumínio exportados para lá sejam sobretaxados.

Se a estratégia não der resultado, o Brasil vai sozinho à OMC (Organização Mundial do Comércio).

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber