Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Renda per capita no DF é 4 vezes maior que no Maranhão, diz IBGE

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A renda domiciliar per capita dos brasileiros foi de R$ 1.268 em 2017. O valor ficou 3,43% maior que no ano anterior, segundo o IBGE.

Os dados, que foram divulgados nesta quarta-feira (28) pelo instituto, medem a renda per capita por domicílio dos estados brasileiros sem fazer correções pela inflação.

O desempenho, porém, tem variações por região.

Em seis estados, houve redução: Rio Grande do Norte (-8,05%), Roraima (-5,81%), Sergipe (-5,01%), Pernambuco (-2,29%), São Paulo (-0,64%) e Alagoas (-0,60%).

Em outros, há crescimento, mas abaixo da inflação medida pelo IPCA, que foi de 2,9% em 2017. É o caso, por exemplo, do Rio de Janeiro, do Pará, do Piauí e do Mato Grosso do Sul.

As variações, porém, mantiveram as fortes disparidades entre as regiões.

A receita no Distrito Federal -local com a maior receita por habitante- supera em mais de quatro vezes a renda média do morador do Maranhão -que ficou na última posição da lista regional.

Entre todos os estados, 19 ficaram abaixo da média nacional de R$ 1.268 e 15 deles registraram renda per capita abaixo do salário mínimo do país, hoje em R$ 954.

Os estados com o pior resultado foram Maranhão, Alagoas, Pará, Piauí e Acre --todos com receita abaixo dos R$ 800 por morador.

De modo geral, o desempenho do índice em 2017 ficou abaixo do registrado no ano anterior, quando a média nacional avançara 10,1% em relação a 2015 --embora a inflação nesse ano também tenha sido superior, de 6,28%.

Os dados são usados pelo TCU (Tribunal de Contas da União) para calcular o rateio dos recursos do Fundo de Participação dos Estados.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber