Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Economia

Disputa pela compra da Itambé é bagunça da Lala, diz presidente da Lactalis

.

JOANA CUNHA*

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - A disputa judicial gerada após a aquisição da mineira Itambé pela gigante francesa Lactalis em dezembro é uma "bagunça" criada pela concorrente mexicana Lala -que no ano passado comprou a Vigor-, segundo Patrick Sauvageot, presidente da Lactalis na América Latina.

Desde que teve início a batalha no Brasil entre as duas gigantes multinacionais dos lácteos, nenhum executivo havia falado publicamente sobre o caso, que corre em segredo de Justiça.

Nesta quarta-feira (28), durante a cerimônia de inauguração de uma linha de produção do grupo Lactalis em Teutônia (RS), Sauvageot insinuou que a Lala está tentando estragar a imagem da Itambé porque gostaria de, ela própria, ter feito a compra da empresa mineira, mas não conseguiu.

"Toda essa briga judicial tem um objetivo só.  Eu como empresa, e não vou citar o nome da empresa, não consegui comprar [a Itambé]. Já que ela não foi comprada por mim, vou queimar a empresa. Vou esvaziar o caixa, vou fazer um barulho muito negativo para os bancos não colocarem dinheiro nela e vou atrasar com essa coisa judicial", disse o executivo.

Após o anúncio da aquisição estimada em R$ 1,9 bilhão pela Lactalis, em dezembro, a Vigor, que era dona de uma parte da Itambé antes de a mineira ser vendida aos franceses, questionou a operação na Justiça.

Segundo a argumentação da Vigor na Justiça, a operação não poderia ter acontecido porque quebrava um acordo de acionistas firmado pela CCPR, cooperativa que detinha 50% da Itambé e comprou a outra metade para depois revender aos franceses em menos de 24 horas.

A decisão mais recente da Justiça autoriza a venda (que também já foi aprovada pelo Cade), mas não dá aos franceses da Lactalis a chance de exercer seus direitos de acionista, gerando um impasse. O caso será resolvido por meio de arbitragem.

Sauvageot disse que o conflito deixou a Itambé como a imagem de uma empresa "sem dono".

"Tem muitas coisas que foram ditas que são mentiras", disse o executivo a jornalistas

Ele se mostrou preocupado com a situação da Itambé e criticou sua gestão anterior.

"Pelo que eu entendi, a Itambé se encontrou em uma situação em que o caixa estava vazio. Ela tinha um caixa de R$ 150 milhões por mês em 2017."

Ele afirma que, quando o negócio foi assinado, em 4 de dezembro, porém, o caixa estava em R$ 50 milhões, mas a Itambé precisa pagar mais de R$ 110 milhões por mês a seus produtores.

"Se não pagar essa fatura, fecha. E ao mesmo tempo você lança uma ação judicial, criando bagunça e incerteza", disse Sauvageot, completando que isso provoca recuo dos bancos.

"Então você tem uma empresa que não tem caixa e não pode tomar dos bancos. Não é razoável."

Questionado se a Lactalis trabalha com o cenário hipotético de o acordo não ser aprovado após a disputa judicial com a Vigor, o executivo afirma que a empresa não vê essa possibilidade.

Sauvageot, que é francês, diz não entender a discussão judicial que se iniciou após os questionamentos da Vigor e criticou a Justiça brasileira.

"Nenhum dos motivos que a Vigor está usando nos parece muito sólido e baseado juridicamente. No Brasil tem um sistema que se chama liminar. Com a liminar você pode fazer coisas e coisas", disse ele.

Outro ponto de discórdia entre Lactalis e Vigor/Lala na Justiça é o fato de a francesa ter assinado um acordo de confidencialidade, o chamado NDA (Non Disclosure Agreement), quando ela demonstrou interesse em comprar a Vigor, que pertencia à J&F, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, e foi vendida para a Lala, meses antes, também no ano passado.

"Essa é a segunda mentira. O juiz está respondendo sobre o NDA, que tem como objetivo fechar uma operação entre a JBS vendendo Vigor e 50% de Itambé. Isso dura até o momento que se fecha essa venda. No momento que a venda está fechada, não tem sentido. E a Vigor estava a venda há mais de três anos", diz o francês.

Procuradas, a Vigor e a Lala disseram que não iriam se pronunciar porque o caso está em segredo de Justiça. Pessoas próximas à Vigor afirmam que a Lactalis não poderia ter comprado a Itambé porque o NDA assinado pela francesa na ocasião da tentativa frustrada de comprar a Vigor era válido por 24 meses, diferentemente do que afirma Sauvageot. Segundo esses executivos, nesse NDA, a Lactalis se comprometia textualmente a não comprar a Itambé. A francesa nega que exista tal cláusula.

*A jornalista viajou a convite da Lactalis

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber