Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Economia

Não há mais divisão entre conteúdo e tecnologia, afirma executivo

.

ROBERTO DIAS, ENVIADO ESPECIAL

BARCELONA, ESPANHA (FOLHAPRESS) - A convergência entre conteúdo e tecnologia chegou a tal ponto que há quem diga que não há mais linha nenhuma a separar um lado e outro. É o caso de Mark Britt, CEO da iflix, uma espécie de Netflix dos países emergentes. Criado em 2014 na Malásia, o serviço se expandiu pelo Sudeste Asiático e pelo Oriente Médio, somando mais de 6 milhões de assinantes.

As páginas de interação com o usuário, editadas inteiramente por algoritmos, são prova disso, afirma ele. O que não quer dizer que a curadoria esteja congelada pela matemática -mas também a evolução dela está submetida aos números da audiência.

"Faço e aprendo, faço e aprendo", disse Britt durante o Mobile World Congress.

A seu lado, um executivo do Facebook foi um pouco mais cauteloso. Tanto a produção tradicional de conteúdo quanto os algoritmos são importantes no que é entregue para o consumidor, defendeu Jason Juma Rossa, diretor de estratégia de tecnologia e telecomunicações da empresa para a Ásia. "É como querer fazer uma distinção entre parte direita e parte esquerda do cérebro."

A discussão atravessou mais de um debate no evento. Em uma mesa nesta terça (27), o diretor do Story[X], o laboratório de inovação do jornal "The New York Times", disse que a fusão já é realidade.

"Não há uma diferença clara entre máquinas e pessoas", disse Marc Lavallee. "Recebo uma mensagem de um robô, e isso pode ser uma máquina, ou ao menos parcialmente uma máquina. Nós Somos [o "NYT"] cada vez mais uma empresa de tecnologia."

Dois exemplos vistos na feira são ilustrativos dessa mistura entre conteúdo e tecnologia --sem que necessariamente a segunda tome o lugar do primeiro.

Um deles é o da BT, antigamente conhecida como British Telecom.

Há cinco anos, a empresa criou a BT Sport, divisão para competir no mercado de compra de direitos de transmissão de eventos esportivos, área em que os investimentos precisam ser robustos.

Outro é o da Jukin Media, que se especializou em descobrir vídeos "que estão a ponto de viralizar", como definiu a diretora Jean Coffey.

Para isso, a empresa desenvolveu técnicas para calcular o potencial do conteúdo, contatar o dono dele, remunerá-lo de alguma forma e a partir daí monetizar esse material.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber