Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Receitas federais têm melhor janeiro desde 2014

.

MAELI PRADO E MARIANA CARNEIRO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A arrecadação começou o ano com um forte ritmo de crescimento, mostram dados divulgados pela Receita Federal nesta segunda-feira (26).

As receitas federais totalizaram R$ 155,6 bilhões, melhor janeiro desde 2014 e uma alta de 10,12% ante mesmo período de 2017, descontada a inflação do período.

Foi o terceiro crescimento consecutivo da arrecadação.

Enquanto a arrecadação administrada pela Receita subiu 9,07% em janeiro, as receitas administradas por outros órgãos subiram 35,46%.

No acumulado em 12 meses, as receitas federais já apresentam uma alta de 1,57%.

O órgão observou que o resultado é consequência da reação da atividade econômica: em janeiro, a produção industrial cresceu 4,3%, a venda de bens subiu 6,3%, a massa salarial teve aumento de 5,73% e o valor em dólar das importações aumentou 19,71% em relação ao primeiro mês do ano passado.

O maior crescimento em valores absolutos foi da arrecadação com PIS/Cofins, que foi R$ 3,2 bilhões maior que em janeiro de 2017, ou um crescimento de 12,7%.

O IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) cresceu 19,9% na mesma comparação.

Esses crescimentos compensaram a forte queda do IRPF (Imposto de Renda Pessoa Física), que caiu 43,48% na comparação com janeiro de 2017.

REFIS

O programa de parcelamento Refis rendeu R$ 6,3 bilhões em janeiro deste ano, divulgou a Receita.

Ao mesmo tempo, o aumento da alíquota do PIS/Cofins sobre combustíveis fez dobrar a arrecadação do tributo: o aumento em valores absolutos foi R$ 1,3 bilhões entre janeiro deste ano e o mesmo mês do ano passado.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber