Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Empréstimo ao Rio com garantia de royalties é discutido, diz Meirelles

.

MAELI PRADO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta segunda-feira (19) que a pasta está discutindo nesta semana, dentro do plano de recuperação fiscal do Rio de Janeiro, um novo empréstimo para o Estado, com base em royalties do petróleo como garantia. 

O ministro, que disse que esse novo empréstimo já estava previsto dentro do plano -ou seja, não seria uma reação à situação da segurança no Estado-, não precisou o valor do novo empréstimo. 

"O Rio já recebeu empréstimo com penhor das ações da Cedae [estatal de água e esgoto], de R$ 2,8 bilhões. Estamos discutindo nesta semana outro empréstimo com cessão de royalties do petróleo que ainda estão disponíveis. O plano de recuperação fiscal como um todo está em andamento", disse. 

SEM DINHEIRO NOVO

Meirelles declarou que o governo está estudando se haverá necessidade de recursos adicionais para o Exército no processo de intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro.

Se houver, o valor será remanejado de outras áreas, ou seja, não haverá dinheiro novo para as Forças Armadas. 

"Estamos avaliando isso, certamente com o Exército, para ver a disponibilidade que já existe no Orçamento do Exército e das Forças Armadas em geral. Já há um contingente que estava no Rio. Vamos ver se existe alguma necessidade de custo adicional."

De acordo com o ministro, por causa do teto de gastos, que impede que as despesas cresçam acima da inflação do ano anterior, caso mais recursos sejam necessários, esses virão de outras áreas. 

"O teto é uma limitação constitucional que será obedecida", disse. "Por isso, temos que olhar com muito rigor o que já está previsto, olhar até que ponto é suficiente, através de remanejamentos internos por definição de prioridades, o atendimento a alguma eventual necessidade adicional, como combustível e armamento". 

Apesar das dificuldades cada vez maiores para a votação da Previdência, Meirelles reafirmou que o governo trabalha com a reforma como "prioridade número um". 

"Se lideranças do Congresso concluírem que a reforma tem votos suficientes para ser aprovada, a ideia, já anunciada pelo presidente, é tomar uma medida que viabilize a votação", disse, referindo-se à possibilidade de suspender o decreto da intervenção no Rio de Janeiro para votar a reforma. 

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber