Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Alívio na energia compensa alta da gasolina em janeiro

.

LUCAS VETTORAZZO E ANAÏS FERNANDES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O fim da cobrança adicional na conta de luz conseguiu compensar a alta no preço dos alimentos e transportes no primeiro mês do ano, e a inflação oficial do país desacelerou em janeiro.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu 0,29%, abaixo do 0,44% de dezembro, divulgou o IBGE nesta quinta-feira (8). Em janeiro de 2017, a taxa foi de 0,38%.

O IPCA deste ano foi o mais baixo para um mês de janeiro desde a criação do Plano Real, em 1994.

No acumulado em 12 meses, o índice foi para 2,86%, após 2017 ser marcado pela inflação abaixo do piso da meta, em 2,95%, algo que não ocorria desde a criação do sistema de metas em 1999.

O resultado do mês passado veio abaixo da expectativa do mercado, que era de alta mensal de 0,4% e de 2,98% em 12 meses, segundo analistas ouvidos pela Bloomberg.

Quase todos os grupos analisados registraram alta em janeiro deste ano, com exceção de habitação (-0,85%) e vestuário (-0,98%).

A maior variação positiva foi do setor de transportes, que subiu 1,1% impulsionado pelos combustíveis (+2,58%). A gasolina, com alta de 2,44%, teve o maior impacto individual no índice do mês. O etanol subiu 3,55%.

EM CASA

Se em 2017 os alimentos tinham dado alívio no bolso, devido ao fenômeno da super safra, no início deste ano eles aceleraram e ficaram 0,74% mais caros --ante alta de 0,54% em dezembro.

Destaques para o tomate (+45,71%) e a batata-inglesa (+10,85%). "Em novembro, a colheita do tomate foi antecipada por questões climáticas. Com isso, em janeiro houve redução da oferta e, consequentemente, alta nos preços", explica Fernando Gonçalves, gerente da pesquisa.

No grupo habitação, a queda foi impulsionada pela conta de luz, que ficou, em média, 4,73% mais barata em janeiro, graças ao fim da bandeira tarifária vermelha 1, que vigorava até dezembro e impunha cobrança adicional de R$ 3 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos.

O gás de botijão, que também teve reajuste para cima nos últimos meses do ano passado, baseado em uma nova política da Petrobras, apresentou queda de 0,32% em janeiro.




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber