Mais lidas
Economia

Novo presidente do Bradesco descarta compra de concorrentes

.

DANIELLE BRANT

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Octavio de Lazari Junior, escolhido pelo conselho de administração do Bradesco para substituir Luiz Carlos Trabuco na Presidência Executiva do banco a partir de março, avalia que não há oportunidades de compra que façam sentido para o banco no país.

Em entrevista concedida na tarde desta segunda (5), na sede administrativa do banco, na Cidade de Deus, em Osasco (SP), ele afirmou que o último grande negócio no mercado era o HSBC, comprado pelo Bradesco em 2015.

"Não há nada para ser adquirido. O último grande negócio que existiu foi o que o Bradesco comprou. Não há nada mais no radar para a gente comprar, até porque continuamos a aproveitar melhor todas as eficiências e oportunidades que esse banco trouxe para nós. A gente precisa avaliar", disse Lazari.

Segundo ele, o Bradesco continuará crescendo pelo ganho de eficiência, com corte de custos e aumento de receitas para compensar a queda na taxa de juros. Lazari também afirmou que o banco manterá as atenções voltadas para o Brasil, e não pensa em internacionalização no momento.

"A gente tem muito claro nosso trabalho com o povo brasileiro, temos nossos negócios aqui. Temos muita coisa para fazer no Brasil, é um país de dimensões continentais, então temos muitos negócios a fazer aqui", disse.

Além da escolha de Lazari para substituir Trabuco, o banco anunciou outras mudanças em sua estrutura nesta segunda (5). Quatro vice-presidentes foram indicados para compor o conselho de administração da instituição.

Domingos de Abreu, Alexandre Glüher, Josué Augusto Pancini e Maurício Machado de Minas terão os nomes submetidos para deliberação de acionistas na próxima assembleia ordinária do banco, marcada para 12 de março.

Pelo estatuto do banco, o conselho pode ter três conselheiros acumulando função executiva, o que significa que alguns dos vice-presidentes não precisarão deixar o posto.

Abreu, assim como Trabuco, havia sido denunciado na Operação Zelotes, em processo que investigava pagamento de propinas a lobistas para resolver pendências com a Receita. Ele era apontado como um dos fortes candidatos a substituir Trabuco até o episódio. A Justiça decidiu trancar a ação penal.

Segundo o atual presidente do Bradesco, a operação não pesou na escolha de Lazari para o cargo.

"Não teve nada das operações. É um processo em julgamento e reafirmamos que a organização reafirma o que tem reafirmado nas notas com relação a interpretação desses fatos", afirmou Trabuco.

"Dentre os vice-presidentes sairia o presidente, era o local ideal para fazer esse processo. Todos têm boas condições, mas foi feito um trabalho de escolha, ressaltou. Em janeiro, o Octavio foi adquirindo o consenso do conselho, dos atuais conselheiros, para que tivéssemos a escolha do Octavio. Aí pesou a experiência horizontalizada e as condições de manter o grupo alinhado na mesma direção."

Trabuco afirmou que Lazari dará continuidade à tradição de construção e à cultura do banco, sem disrupção. É um banco de carreira, de especialização, não é trivial. Temos de renovar num processo sem ruptura. Poucas empresas do mundo talvez fossem capazes de pegar quatro vice-presidentes e com muita harmonia transformá-los em conselheiros. Precisamos preservar esse espírito afirmou.

Já Lazari afirmou que o Bradesco continuará sendo um banco com o olhar voltado para o futuro, mas com os pés fincados no presente.

Na assembleia, também será proposta a uniformização de idade para todos os executivos do banco. O limite será de 65 anos para ocupar um cargo de direção.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber